Novo Romance de Urbano Tavares Rodrigues

O mais recente romance de Urbano Tavares Rodrigues, O Eterno Efémero, foi lançado em Lisboa no dia seis de Dezembro. A apresentação do livro, com a chancela da D. Quixote, esteve a cargo de Arnaldo Saraiva, que fez uma longa e aprofundada dissertação sobre a obra do escritor.
Urbano Tavares Rodrigues, nascido em 1923, é um dos mais prestigiados escritores em Portugal. A sua obra conta dezenas de títulos publicados, entre romances, contos, crónicas e ensaios, e está traduzida em diversas línguas.
O escritor que comemorou 50 anos de vida literária em 2003, recebeu o Prémio de Consagração de Carreira da Sociedade portuguesa de Autores em 2000, e o Grande Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores, em 2002.


Morreu o jornalista Mário Silva

Faleceu na passada quinta-feira, aos 69 anos, o jornalista e nosso camarada Mário Silva, vítima de doença prolongada.
Natural de Lisboa, militante revolucionário e antifascista de longa data, Mário Silva esteve exilado em França e na Suécia.
Após a Revolução de Abril, Mário Silva entrou para a Anop, a antiga agência noticiosa que deu lugar à Lusa. Foi jornalista da Lusa até há dois anos, quando se reformou. Exerceu vários cargos de chefia, foi membro do conselho de redacção e da comissão de trabalhadores e delegado sindical dos jornalistas.
Mário Silva era militante do PCP, ao qual esteve ligado desde os anos cinquenta. Estava organizado no sector intelectual da ORL.


Luísa Basto canta Alentejo

Já saiu o último trabalho de Luísa Basto, Alentejo, numa edição da Câmara Municipal de Serpa.
O novo CD com temas dedicados ao Alentejo, inclui ainda depoimentos sobre a popular cantora de Manuel da Fonseca, Eugénio de Andrade e José Saramago, entre outros. A capa do disco é da autoria do artista plástico Mário Rocha.
Luísa Basto divulga semanalmente, às sextas e sábados, o seu mais recente trabalho no restaurante «Forno de Cima», situado no Pragal em Almada.


Trapologia de Helena Chainho em exposição

Foi inaugurada no passado dia seis de Dezembro na Biblioteca-Museu República e Resistência, em Lisboa, a exposição de trapologia «Pontoporponto» de Helena Chainho.
A trapologia utiliza a técnica de recortes de tecidos, cosidos à mão.
Os trabalhos expostos retratam as memórias de infância da autora, os campos primaveris do Alentejo – donde é natural –, as flores, o mar, as paisagens, o universo.
Pontoporponto é a terceira exposição individual de Helena Chainho e estará patente até ao próximo dia 19 de Dezembro.


Nobel da Literatura acusa EUA de puro terrorismo

O dramaturgo Harold Pinter, Nobel da Literatura de 2005, afirmou que a invasão do Iraque constituiu «um acto de bandistismo, um acto de puro terrorismo de Estado, demonstrando desprezo absoluto pelo conceito de lei internacional».
A afirmação consta do discurso de aceitação do prémio, enviado por videoconferência à Academia sueca. Pinter, com 75 anos, sofre de cancro e foi recentemente hospitalizado, facto que impossibilitou a sua deslocação a Estocolmo para receber o galardão.
Na sua extensa intervenção, intitulada Arte, Verdade e Política, o dramaturgo britânico faz referência à acção da política externa norte-americana, acusando os EUA de cometer crimes «sistemáticos, constantes, viciosos, sem remorsos». Pinter lembra o apoio dos Estados Unidos às ditaduras militares depois da II Guerra, enumerando os casos da Indonésia, Grécia, Uruguai, Brasil, Paraguai, Haiti, Turquia, Filipinas, Guatemala, El Salvador e Chile.
O autor das peças Regresso a Casa e Festa de Aniversário, aludiu ainda ao papel desempenhado por Londres, afirmando que os Estados Unidos têm «o seu próprio cordeiro a balir atrás, a patética e submissa Grã-Bretanha».


Resumo da Semana