• Vasco Cardoso

Em nome do Pai
A delegação do Governo Norte-americano presente na tomada de posse de Cavaco Silva é chefiada pelo pai do actual Presidente. É um sinal político de grande expressão, que confirma o inquestionável apoio que o imperialismo dá, não só à figura de Cavaco, como ao projecto político que o próprio personifica.
George Bush (pai) e Cavaco Silva são velhos conhecidos. Estiveram em simultâneo à frente dos Governos Norte-americano e Português durante vários anos, que coincidiram com a implementação da chamada “nova ordem mundial” cuja primeira expressão mais evidente foi a chamada “Guerra do Golfo” que em 1991 levou à intervenção militar por parte dos EUA no Iraque. Tal como agora, o Governo Português optou pelo servilismo face aos ditames do imperialismo e foi conivente com a criminosa acção que custou (por via dos bombardeamentos, das sanções económicas, da fome e das doenças) centenas de milhar de vidas ao povo Iraquiano.
Durante toda a campanha eleitoral Cavaco Silva, por intermédio do sistemático branqueamento do seu passado, ao qual se juntou, um cínico silêncio sobre o futuro, procurou fugir às muitas cumplicidades que o seu pensamento e acção política têm com a criminosa actuação que a Administração Americana espalha pelo mundo. Quinze anos volvidos, Cavaco vai ser empossado como Chefe de Estado e não se vislumbra qualquer distanciamento, bem pelo contrário, face à actual actuação das tropas Americanas não só no Iraque, como também, no Afeganistão e noutros países.
Segundo a Constituição da República, o Presidente da República é, por inerência, o Comandante Supremo das Forças Armadas, com a responsabilidade de nomear e exonerar os Altos Comandos Militares, de presidir ao Conselho Superior de Defesa Nacional e de declarar a guerra e a paz.. Cabe ao Governo a condução da política de defesa nacional, mas este não a pode conduzir sem o Presidente da República e muito menos contra a sua vontade. É ao Governo que cumpre decidir sobre o emprego das Forças Armadas mas é ao Presidente da República que compete autorizá-lo. A convergência entre Sócrates e Cavaco nesta matéria é preocupante.
O agravamento da situação no Iraque (numa Guerra que já leva 3 anos), onde já se contabilizam milhares de vítimas e outros tantos horrores e o aumento das tensões e das perspectivas intervencionistas que se colocam sobre um conjunto de países no médio oriente, nomeadamente em relação ao Irão e à Síria, exigem por parte do imperialismo que se reforcem as ligações e cumplicidades com os governos Europeus. A vinda de George Bush (pai) procura abrir caminho para um envolvimento ainda maior do nosso país nesta estratégia. Em nome do quê?


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: