Tribunal alemão limitou a greve aos comboios regionais
Alemanha
Maquinistas resistem
Enfrentando pressões de vários lados, o pequeno sindicato dos maquinistas alemães, GDL, voltou a paralisar, na sexta-feira, 5, quase totalmente a circulação ferroviária nas linhas regionais e urbanas do país, afectando centenas de milhares de passageiros.
A greve de três horas, entre as 8 e as 11 horas, teve particulares reflexos nas grandes cidades alemãs de Berlim, Hamburgo, Munique ou Estugarda, mas a administração da Deutsche Bahn (DB) conseguiu limitar os efeitos da luta graças à intervenção do tribunal do Trabalho de Chemnitz que, nas primeiras horas da madrugada, proibiu a paralisação nas linhas de longo curso e no transporte de mercadorias.
A decisão judicial foi criticada por vários sindicatos que a classificaram como uma ingerência intolerável num processo de negociação salarial. Para a grande confederação DGB «o direito de greve deveria ser intocável».
Todavia, à semelhança do já tinha acontecido no mês de Agosto, os magistrados insistiram no entendimento de que, à luz da constituição alemã o direito à greve não é ilimitado, devendo obedecer nomeadamente à regra da proporcionalidade. Daqui concluíram que não poderá ser exercido caso possa provocar graves danos à economia nacional.
Por seu lado, os representantes os GDL usaram todos os recursos legais ao seu alcance para evitar a proibição da greve, requerendo designadamente a substituição de um juiz. Em consequência, a decisão sobre a providência cautelar apresentada pela administração da companhia só foi tomada 18 horas depois do início do julgamento, atraso que obrigou a administração a accionar ao início da noite o seu plano de emergência que implicava a redução para metade do número total de composições em circulação.
Desta forma, recorrendo aos maquinistas que conservam o estatuto de funcionários públicos e estão privados do direito de greve, a administração da DB contava poder garantir um mínimo de tráfego ferroviário.
Na prática, o accionamento do plano emergência fez com que muitos comboios de longo curso e de mercadorias, não abrangidos pela greve, não tivessem saído das estações por falta de pessoal deslocado para outras linhas.

Salários justos
e gestão pública


Reclamando a recuperação do poder de compra perdido ao longo da última década, o GDL exige fortes aumentos salariais que atingem os 31 um por cento, a redução do horário de trabalho de 41 para 40 horas semanais, bem como se opõe à privatização da companhia pública.
Cartazes e bandeirolas colocados nas estações alertavam no dia da greve para as consequências da venda da empresa aos privados: «Caminhos-de-ferro na Bolsa, ferroviários no centro de desemprego».
O sindicato mostra-se determinado a prosseguir a sua luta, recusando o acordo concluído em Junho com os outros dois sindicatos da empresa (Transnet e DGBA) que estabeleceram aumentos salariais de 4,5 por cento e um prémio extra de 600 euros para um universo de cerca de 130 mil trabalhadores.
Aos poucos a administração tem dados sinais de cedência. Embora altos responsáveis continuem a afirmar que a DB «não cederá a chantagens», a verdade é que já admitem negociar um contrato colectivo em separado para os maquinistas, acenando-lhes com uma valorização remuneratória de 10 por cento, bem acima do que negociaram para os restantes sectores.
Mas o GDL não dá como esgotado o processo reivindicativo e ameaça continuar as paralisações parciais, admitindo mesmo lançar-se numa greve total prolongada, evocando os efeitos da última grande luta realizada pelos ferroviários alemães em 1992 que durou dez dias.
Neste braço-de-ferro, apesar da aparente exorbitância das suas reivindicações, os maquinistas têm contado com o apoio da maioria da opinião pública. Segundo uma sondagem publicada no dia da greve, 57 por cento dos inquiridos manifestam compreensão pela sua luta.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: