Morreu Homero Serpa

Com mais de meio século de vida ligada ao jornalismo, em especial o desportivo, onde se destacou como figura histórica do jornal «A Bola», faleceu no dia 31 de Dezembro, aos 80 anos, após doença prolongada, o jornalista e escritor Homero Serpa.
Com as suas raízes na zona ocidental de Lisboa, primeiro em Belém onde nasce em 1927 e depois na Ajuda onde cresce e reside com o avô – por si apelidado de «poeta dos pobres, dos humildes e explorados» - , Homero Serpa colaborou em diversas publicações entre as quais «O Mosquito» (jornal infantil) a «Gazeta do Sul», o «República», o «Diário de Lisboa», o «Diário Popular», a revista «Lisboa Carris» e o «O Setubalense».
Na sua vida profissional, marcada sobretudo pelo jornal «A Bola», para onde entrou em Abril de 1955, desempenhou as funções de redactor, subchefe de redacção, chefe-adjunto e chefe de redacção, distinguindo-se sempre como um defensor da liberdade de imprensa e um profundo conhecedor do fenómeno desportivo.
Homem de reconhecidas qualidades humanas e cívicas, democrata de sempre, solidário e empenhado socialmente, Homero Serpa foi distinguido com diversos galardões, entre os quais o Prémio da Reportagem atribuído pelo Clube de Jornalistas do Porto (1993), a Medalha de Mérito Desportivo, a Medalha de Mérito da Câmara Municipal de Oeiras, o diploma de sócio honorário do clube de futebol Os Belenenses (2003) e o Prémio «O Pepe», instituído pelo clube de futebol Os Belenenses (1983).
Já na reforma, com mais tempo para a produção literária, publica, entre outras, as obras «Na Estrada», «Largo da Memória» e «Cândido de Oliveira. Uma biografia».


Exonerações na Câmara de Lisboa

Exonerações na Câmara de Lisboa
Dois directores de departamento de gestão urbanística da Câmara Municipal de Lisboa e quatro chefes de divisão do mesmo departamento foram exonerados de funções. A medida, anunciada no dia 3 por António Costa, surge na sequência da sindicância aos serviços de Urbanismo e Planeamento da autarquia pedida pelo ex-presidente Carmona Rodrigues.
Realizada pela Procuradoria-Geral da República, a sindicância foi despoletada após acusações de irregularidades e ilegalidades em processos de decisão da autarquia, nomeadamente nos casos Bragaparque e EPUL.


Pensões em perda

Quase 70 por cento dos aposentados da Função Pública sofrerão uma redução do seu poder de compra em 2008, tendo em conta que o aumento das suas pensões (1,9 ou 1,7 por cento) está abaixo do valor previsto da inflação. A esta conclusão chegou o economista Eugénio Rosa em estudo divulgado na semana transacta onde refere que cerca de 31 por cento dos aposentados da Caixa Geral de Aposentações (CGA) vão ter aumentos de 1,9 por cento. Cerca de 28 por cento terá uma actualização das pensões de 1,7 por cento. Outros 10 por cento, com pensões superiores a 2.444 euros, não têm qualquer aumento das pensões.
O que significa que «mais de 69 por cento dos aposentados da CGA sofrerão uma redução do seu poder de compra já que a subida da inflação em 2007 (2,4 por cento) é superior ao aumento que vão ter na sua pensão», sublinha. Os restantes cerca de 30 por cento dos aposentados receberão um aumento de 2,4 por cento, em linha com a inflação prevista para o ano passado.


Lisboa – Dacar anulado

A Amaury Sports Organisation (ASO), entidade promotora da edição 2008 do rali Lisboa – Dacar, anunciou no dia 4 a anulação da prova, invocando a existência de ameaças directas que comprometiam a sua segurança e realização.
A decisão foi tomada após comunicação do governo francês, baseada em supostas informações dos seus serviços secretos, dando conta de alegados perigos e ameaças que pairavam sobre a competição, desaconselhando por isso os seus cidadãos a nela participarem.
A 30.ª edição do Lisboa - Dacar tinha partida marcada para o passado sábado, 6, junto ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, e chegada prevista a 20 de Janeiro, à capital do Senegal, depois de passar por Espanha, Marrocos e Mauritânia.


Arrendamento jovem

Totalizaram 3 561 as candidaturas recebidas na primeira fase do programa de apoio ao arrendamento jovem «Porta 65» - soube-se na passada semana. Um número que está bem longe dos 20 mil processos esperados e anunciados pelo Instituto de Habitação.
Das candidaturas agora formalizadas, 1.995 referem-se a pessoas que vivem sozinhas, 1.472 a casais e 94 a jovens que vivem em sistema de coabitação.
O reduzido número de candidaturas vem dar razão às críticas feitos pelos partidos da oposição, em particular pelo PCP, que acusaram o Governo de ter criado condições de acesso desajustadas da realidade, sobretudo devido aos limites impostos para as rendas.


Resumo da Semana