Todos não serão demais
Jornada de trabalho nos dias 21 e 22 de Junho
Vamos construir a Festa do Avante!
Nos próximos dias 5, 6 e 7 de Setembro vai realizar-se mais uma edição da Festa do Avante! Entretanto, a apenas três meses da maior iniciativa político-cultural de massas do nosso País, muito trabalho, solidariedade e fraternidade, espera os seus construtores. Para este ano, com o objectivo de melhorar as condições no terreno, as novidades são muitas e vão desde a ampliação dos sanitários femininos até ao reforço do perímetro da Quinta da Atalaia. Em entrevista ao Avante!, Pedro Lago, do Secretariado da Festa, apelou à participação de todos na primeira jornada de trabalho que se vai realizar nos dias 21 e 22 de Junho. Não faltes!
Passando os portões da área de serviço da Quinta da Atalaia, o barulho da cidade começa a desvanecer-se a cada paço que se dá em direcção ao «coração» da Festa do Avante. Esperava-se um ambiente mais calmo, até porque as primeiras jornadas de trabalho apenas começam nos dias 21 e 22 de Junho. No entanto, a três meses da Festa, há já muito trabalho feito. Logo à entrada pintam-se estruturas. Mais à frente descarregam-se tijolos. Na área do refeitório, e na zona de lazer, melhoram-se as condições e as acessibilidades para os camaradas e amigos da Festa, com, numa parte, calçada à portuguesa, e noutra, relva.
Descendo, em direcção ao Palco 25 de Abril, a perspectiva é magnífica. Se fecharmos os olhos, por um momento, imaginamos o quanto bonita vai ficar a Festa deste ano. Ali, e por todo o espaço, a relva já está cortada, e, curiosamente, o tubo da organização de Braga montado.
«Apesar da primeira jornada de trabalho estar marcada para os dias 21 e 22 de Junho, e porque o Partido não pára para férias, surgiu, politicamente, uma outra situação que é a Festa da Alegria, que se vai realizar, nos dias 19 e 20 de Julho, em Braga. Isto quer dizer que muitas organizações, num grande esforço, têm que ter construído aqui o seu espaço para participar, de igual forma, na Festa da Alegria», afirmou, ao Órgão Central do PCP, Pedro Lago, valorizando o facto de quase todas as organizações construírem o seu espaço. «Este é um retomar de processos antigos», acrescentou.
Este fim-de-semana, estiveram, na Atalaia, as organizações de Viana do Castelo, Algarve e Coimbra. Toda esta situação estará associada ao reforço do PCP?
«A coisa está interligada. A Festa da Alegria é fruto do reforço do Partido nas suas organizações do Norte. Mas o facto de cada organização construir, aqui, o seu espaço funciona nos dois sentidos. Por um lado, corresponde a um reforço local destas organizações. Por outro, a construção da Festa é factor de atracção ao Partido. Alguns destes amigos que aqui vêem acabam por se inscrever, porque estão a participar activamente na Festa».

Preparar o terreno

Seguimos viagem. Ouvem-se máquinas a funcionar junto à Praça da Paz. Era um grupo de camaradas do Couço. «Preparar o terreno é um dos trabalho desta altura. Veio para cá uma brigada do Couço, como especializados que são, para trabalhar na poda de algumas árvores e no corte do mato», explicou Pedro Lago.
Mas este não é exemplo único. «Há outras brigadas que, ao longo do ano, têm uma participação muito activa, um a dois dias por semana, durante todo o ano, na Quinta da Atalaia. São antigos trabalhadores da Lisnave, da Freguesia de Amora, que dão o seu contributo de uma forma graciosa e voluntária», afirmou.
Este ano tiveram como tarefa o melhoramento, desde a várzea até à zona da Medideira, das redes de perímetro.
«No ano passado tratámos da rede, numa extensão de 430 metros, junto da Quinta da Princesa. Agora, os 380 metros restantes vieram completar, unificar, todo o espaço com uma rede toda por igual», informou Pedro Lago.

«Pontapé de saída»

Entretanto, nos próximos dia 21 e 22 de Junho vai realizar-se a primeira jornada de trabalho na Quinta da Atalaia.
«A primeira jornada de trabalho tem sempre uma importância muito grande, até porque marca o ritmo das seguintes. Todos não serão demais. Há trabalho para toda a gente, para darmos o safanão, o “pontapé de saída” para as muitas jornadas que vamos ter pela frente», apelou Pedro Lago.

Mais sanitários femininos
Melhores condições de higiene

A grande novidade para este ano é a melhoria e ampliação dos sanitários femininos. «É sempre muito difícil resolver este problema. Aquilo que decidimos, este ano, dentro de uma situação de contenção de custos, foi ampliar os actuais sanitários, o número de cabines femininas, passando para o dobro das que existiam o ano passado», revelou Pedro Lago, assegurando que «a Festa terá melhor condições para acolher os seus visitantes».
A Quinta da Atalaia tem, neste momento, cinco grandes espaços sanitários. «Já interviemos em três e há um, por ser uma obra de vulto, junto à JCP, que ainda se vai aumentar. Tinha 17 cabines e agora vai passar a ter 28», informou.
Junto ao Espaço Internacional, o sanitário, para ambos os sexos, vai ser transformado em sanitário feminino. Os homens passarão a ter ao seu dispor contentores sanitários.
Ainda se vai ampliar, para o dobro, as instalações da Medideira e aumentar o número de contentores sanitários.
Lá em baixo, na várzea, junto ao rio, a melhoria passa por aumentar o número de contentores sanitários. «No futuro pensamos ter ali um novo sanitário, mas, nesta fase, será à base de contentores», prometeu Pedro Lago.
Também os sanitários para os deficientes e os fraudanários vão melhorar. «Em todos estes alargamentos ou ampliações contemplou-se aumentar os sanitários para deficientes, medida que, há quatro anos, tínhamos vindo a implementar, assim como os fraudanários, em todos os sanitários», disse.

Resolver problemas

Outro dos «problemas» que será minimizado prende-se com o parque de campismo exterior, que fica, todos os anos, superlotado. «Conseguimos um outro espaço, muito perto do outro, que vai abrigar autocaravanas, roulotes, e um grande número de tendas, o que vai aliviar o parque de campismo exterior e melhorar as condições dos visitantes e amigos da Festa», afirmou Pedro Lagos.
Vão ainda acontecer melhoramentos nas zonas verdes e no posto de saúde da Festa, «proporcionado, a quem lá trabalha, médicos, enfermeiros e outros camaradas, melhores condições de trabalho, mas também às pessoas que são ali atendidas».
A nível interno, o responsável da Festa assegurou que as organizações do Partido vão reflectir, nos seus espaços, as lutas locais e a actividade política em cada uma das áreas. O Pavilhão Central e o Espaço Internacional, assegurou, «vão ter projectos muito bonitos e inovadores».


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: