Governo quer piorar a mobilidade
É «inaceitável que o Governo queira integrar nas Instituições Particulares de Solidariedade Social ou em empresas públicas os trabalhadores da Administração Pública que, desde 2007, se encontram na mobilidade especial, descartando-se da responsabilidade pelo facto de os ter colocado nessa situação e de ainda não ter resolvido o problema», considerou, dia 18, a Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública.
Esta integração, segundo a federação, não é solução, «porquanto a lei prevê que findos dois anos após a colocação naquelas instituições, esta situação cessa, e os trabalhadores são obrigados a passar à situação de licença sem vencimento, a desvincular-se da Função Pública ou a regressar à mobilidade especial».
Lembrando a «situação escandalosa» de boa parte destes trabalhadores estarem com remunerações líquidas muito abaixo do salário mínimo nacional, nomeadamente os das carreiras auxiliares, a FNSFP/CGTP-IN recordou como, no Ministério da Agricultura, o actual ministro, em reunião com a federação, «reconheceu a necessidade de rever este processo e de serem encontradas soluções para a reafectação destes trabalhadores aos serviços de onde foram afastados». Por esse motivo, «a federação não aceita quaisquer soluções do tipo das agora avançadas pelo Governo».


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: