Breves
Baixas civis no Afeganistão

Cerca de 1300 civis foram mortos no Afeganistão na primeira metade deste ano, o que representa um aumento de mais de 25 por cento do que no mesmo período de 2009, informou esta semana o chefe da ONU em Cabul, Staffan de Mistura. Segundo este responsável, «1271 civis foram mortos e 1997 ficaram feridos, a maioria em estado grave», nos primeiros seis meses deste ano.

No total, o número de vítimas – mortos e feridos – na primeira metade deste ano aumentou 31 por cento face a período homólogo de 2009.


Julgamento em Guantanamo

Omar Khadr, de origem paquistanesa e nacionalidade canadiana, começou a ser julgado dia 10, na base norte-americana de Guantanamo, por um tribunal militar de excepção. O jovem tinha 15 anos em 2002, quando foi preso, alegadamente por ter morto um sargento norte-americano em Julho desse ano, no Afeganistão. Khadr é ainda acusado de conspiração, espionagem e de apoiar o terrorismo.

Este é o primeiro julgamento de um preso de Guantanamo sob a administração Obama, que apesar de ter feito do encerramento do campo de concentração uma das bandeiras da sua campanha acabou por deixar cair a promessa. O campo conta ainda 176 detidos.


Greve na Honduras

Os professores hondurenhos iniciaram a 9 de Agosto uma greve por tempo indefinido para exigir ao governo o pagamento de uma dívida de 160 milhões de dólares ao Instituto de Previsión del Magisterio (INPREMA), o pagamento de salários em atraso a mais de 3500 professores e o fim da política de privatizações. A paralisação foi convocada pela Federación de Colegios Magisteriales, que agrupa cerca de 65 mil trabalhadores do ensino primário e secundário.

Os professores exigem igualmente a reintegração de 17 directores despedidos e o respeito pelo Estatuto do Docente, que consagra os direitos dos trabalhadores ao aumento salarial por antiguidade, férias pagas e segurança social, bem como a revogação da Lei de Bases da Educação, que prevê a privatização das escolas de formação de professores.