Intervenção de Jerónimo de Sousa, lida por José Capucho, do Secretariado do CC
Nunca esqueceremos os nossos mártires

Faz hoje precisamente 50 anos que, aqui muito próximo do local em que nos encontramos, a morte saiu à rua: a PIDE assassinou, a tiro, o camarada José Dias Coelho: O pintor morreu. Foi um crime brutal, um dos muitos praticados pelo fascismo ao longo do seu quase meio século de existência.

Crimes que, na sua imensa maioria, incidiram sobre militantes comunistas, já que eram estes que, organizados no seu Partido, ocupavam a primeira fila da luta contra o regime fascista. Crimes que nunca é demais denunciar neste tempo em que está em curso uma intensa operação de branqueamento e negação do fascismo. Crimes que devem ficar gravados na nossa memória colectiva para que fascismo nunca mais.

 

Image 9319

José Dias Coelho nasceu em Pinhel, em 19 de Junho de 1923 e, após uma passagem, com a família, por Coimbra, onde fez os primeiros anos da instrução primária, e por Castelo Branco, onde frequentou o liceu, veio morar para Lisboa. Tinha então 15 anos de idade. Aqui, no Colégio Académico, concluirá os estudos liceais e participará pela primeira vez numa exposição, com um conjunto de caricaturas, a que a crítica se refere com apreço – e que desde logo são reveladoras do seu talento invulgar.

No Académico faz amizade com uma professora, Berta Mendes, mulher do escritor Manuel Mendes, através da qual tem acesso ao contacto com grandes figuras da vida cultural e artística de então: entre outros, Abel Manta, Keil do Amaral, Abel Salazar, Bento de Jesus Caraça, Fernando Lopes-Graça, Manuela Porto, Carlos de Oliveira, Avelino Cunhal, Eugénio de Andrade, José Cardoso Pires, Fernando Namora, Alves Redol, José Gomes Ferreira.

Por essa altura, o fascismo avançava na Europa e no mundo: terminara a guerra de Espanha, com a vitória dos fascistas, e tinha início a II Guerra Mundial, com a qual Hitler pretendia assegurar a conquista e o domínio do mundo. E por cá, Salazar concluía o processo de fascização do Estado, criando um vasto conjunto de instrumentos repressivos, designadamente a polícia política (PVDE/PIDE/DGS), o Tribunal Militar Especial, a Legião Portuguesa, o Campo de Concentração do Tarrafal – tendo previamente assegurado a liquidação dos sindicatos livres e a aprovação fraudulenta da Constituição fascista.

Ainda muito jovem, José Dias Coelho aderiu àquele que viria a ser o seu partido de sempre: o Partido Comunista Português. Estava então em curso a reorganização de 1940/41, primeiro e decisivo passo para a construção dos III e IV congressos, num processo que, superando as dificuldades e as fragilidades orgânicas causadas pela brutal ofensiva repressiva dos anos trinta, transformaria o PCP num partido marxista-leninista, um grande partido nacional, vanguarda de facto da classe operária e das massas trabalhadoras, o grande partido da resistência e da unidade antifascistas.

José Dias Coelho participa nas actividades do Movimento Nacional de Unidade Antifascista (MUNAF); mais tarde integra o Movimento de Unidade Democrática (MUD), o primeiro movimento antifascista legal, criado na sequência do fim da II Guerra Mundial; e logo a seguir inicia intensa actividade no MUD Juvenil. E é como membro desta organização juvenil que conhece e se torna amigo de outros jovens, africanos, que anos mais tarde iriam dirigir os movimentos de libertação das colónias: Agostinho Neto, Marcelino dos Santos, Amílcar Cabral, Vasco Cabral. Participa igualmente na Comissão de Escritores e Artistas Democráticos e na subcomissão dos Artistas Plásticos.

 

Arte como resistência

 

A influência do Partido crescia, nomeadamente entre a intelectualidade que levava por diante uma intensa actividade simultaneamente criativa e antifascista. Num impressionante movimento cultural, a literatura e as artes plásticas, com o movimento neo-realista, dão voz à realidade do País mistificada pela propaganda fascista. Os romancistas, poetas e artistas plásticos, com a sua arte e o seu talento, são verdadeiros porta-vozes dos anseios, das aspirações, das lutas dos trabalhadores e do povo. Iniciativas como a criação, por Bento de Jesus Caraça, da Universidade Popular e desse outro empreendimento maior da história da cultura portuguesa que foi a Biblioteca Cosmos, surgem como testemunhos imperecíveis de uma resistência empenhada à ditadura e da luta por uma cultura ao serviço do povo.

Muitos artistas plásticos, entre eles José Dias Coelho – que entretanto frequentava escultura na Escola de Belas Artes e se destacava como um dos principais dirigentes da luta dos estudantes de Belas Artes pela criação da Associação Académica – resistem à imposição da mediocridade e da propaganda reaccionária e dão, de formas diversas, imagens do seu povo e da sua luta, colaboram com o seu talento criador em acções abertamente políticas pela liberdade e pela paz.

José Dias Coelho desenvolve uma activa intervenção na dinamização das Exposições Gerais de Artes Plásticas, cuja primeira se realiza em 1946 e que mostraram o que de mais válido e de maior qualidade existia nas artes plásticas de então. Por outro lado, essas Exposições reúnem pela primeira vez criadores de todos os géneros artísticos, de todas as idades e sem júri de admissão, e apresentam-se como uma frente comum liberta das pressões de carácter político impostas pelo fascismo, de que eram exemplo as exposições organizadas por António Ferro no SNI.

A enorme capacidade de José Dias Coelho para criar e desenvolver amplos consensos, a sua aguda sensibilidade política, a sua sólida preparação ideológica, o seu prestígio e a confiança nele depositada por todos os que o conheciam, inclusivamente por artistas e intelectuais bastante mais velhos do que ele, foram decisivos quer para o êxito das Exposições Gerais, quer para a concretização de várias outras acções comuns, quer para o alargamento da frente intelectual antifascista, isolando os intelectuais serventuários do regime.

Nessas Exposições surgirão nomes que viriam a afirmar-se no futuro como figuras maiores das artes plásticas portuguesas, entre eles, Rolando Sá Nogueira, João Abel Manta, Júlio Pomar, João Hogan, Alice Jorge, Rogério Ribeiro, Cipriano Dourado, Querubim Lapa, Lima de Freitas, Manuel Ribeiro de Pavia, Maria Keil, Margarida Tengarrinha, e muitos outros – jovens que integravam o vasto círculo de amigos de José Dias Coelho e sobre os quais ele exercia forte influência política.

A actividade de José Dias Coelho divide-se pelo trabalho artístico e a intervenção política. Ele participa como expositor em todas as exposições, à excepção da primeira, com um conjunto de obras de que se destacam Cabeça de meu Pai, Cabeça do Pintor Sá Nogueira, Retrato de Margarida Tengarrinha, Cabeça de Alves Redol, Retrato de Maria Eugénia Cunhal, Retrato de D. Maria Isabel Aboim Inglês.

 

A arte, a prisão, a clandestinidade

 

A última Exposição Geral de Artes Plásticas ocorre em 1956, quando José Dias Coelho já está na clandestinidade; e é sintomático que nessa última Exposição ele esteja representado, como expositor, com um dos seus trabalhos – o retrato da irmã, Maria Emília: era um gesto de solidariedade dos seus amigos e companheiros de luta, um gesto com o qual reconheciam o papel decisivo que ele havia representado na construção daquelas relevantes iniciativas e expressavam a admiração pelo seu talento, pela sua coerência na luta pelos seus ideais. Era também, por parte dos organizadores, a consciência do sacrifício que representara para ele ter abandonado a vida artística.

Entretanto, José Dias Coelho começara a ser conhecido pelo seu trabalho artístico, trabalha para encomendas, expõe, ficam conhecidas obras de escultura como as cabeças de Alves Redol, Fernando Namora, Rolando Sá Nogueira e Orlando da Costa; e também os retratos a carvão, da mãe e da irmã Maria Emília, premiados respectivamente com uma menção honrosa e uma medalha nos Salões da Sociedade Nacional de Belas Artes. Ao mesmo tempo ilustra contos de José Cardoso Pires e o livro de Alexandre Cabral, O Sol Nascerá um Dia.

Em 1949, Dias Coelho participa na campanha «eleitoral» de Norton de Matos e é detido pela PIDE e levado para o Aljube, onde permanece incomunicável durante 10 dias. Por essa altura, realiza-se, em Paris, o I Congresso Mundial da Paz, para o qual Picasso desenha a célebre Pomba da Paz – que desde logo se transforma num símbolo à escala planetária – e, no ano seguinte, surge, em Portugal, a Comissão para a Defesa da Paz, que lança a campanha das 100 mil assinaturas para o Apelo de Estocolmo, na qual José Dias Coelho se empenhará activa e intensamente.

Entretanto o governo fascista de Salazar fora admitido na NATO e em 1952, realiza-se no Instituto Superior Técnico a reunião do Pacto do Atlântico, que viria a ser alvo de forte contestação popular, organizada pela Comissão para a Defesa da Paz e na sequência da qual José Dias Coelho e Margarida Tengarrinha são expulsos de todas as escolas do País.

Todavia, na vida de José Dias Coelho, há, como sublinha incisivamente, Margarida Tengarrinha, «uma data decisiva, o ano de 1955, que tem um real significado para entender a sua opção de vida: é em 1955 que entra na clandestinidade como funcionário do Partido Comunista Português, sabendo que a tarefa que lhe está designada é montar uma oficina de falsificação de documentos, bilhetes de identidade, licenças de bicicleta, cartas de condução, passaportes, etc., para defesa dos militantes clandestinos no trabalho de organização e nas relações internacionais do Partido» – um trabalho que ele sabia ser «obscuro, monótono, fechado, tão oposto à sua vocação de escultor e aos seus hábitos de convívio e tertúlias com os intelectuais e artistas da agitada vida cultural da Lisboa de então», mas um trabalho que ele sabia ser de extrema importância e que só poderia ser desempenhado por um revolucionário profissional. É um trabalho que desenvolve em conjunto com Margarida Tengarrinha.

 

Obscura heroicidade

 

Foi a opção pelo caminho da «obscura heroicidade», na caracterização por ele feita da vida clandestina de sucessivas gerações de comunistas.

Na clandestinidade, das suas mãos e do seu talento de artista plástico saíram também numerosas gravuras de linóleo e madeira que deram um contributo decisivo para o enriquecimento gráfico de várias publicações do Partido: o Avante!, O Militante, A Voz das Camaradas, A Terra, O Ferroviário.

Nesse tempo de vida clandestina escreve, com a colaboração de Margarida Tengarrinha, o livro A Resistência em Portugal, que constitui a primeira abordagem da luta dos comunistas, dos trabalhadores e do povo contra o regime fascista.

Em finais de 1960, José Dias Coelho e Margarida Tengarrinha mudam de tarefa, passando ele a integrar a direcção do Partido em Lisboa, com a responsabilidade do Sector Intelectual, onde virá a desenvolver relevante actividade, facilitada pelo prestígio que mantinha junto da intelectualidade e pela sua imensa capacidade de diálogo. Organiza várias acções da Oposição Democrática, nomeadamente na preparação das «eleições» para a Assembleia Nacional marcadas para 12 de Novembro de 1961 – um ano no decorrer do qual o regime fascista sofreu fortes abalos.

Nesse ano de 1961, o Partido avançava decididamente na correcção do desvio de direita, na sequência da fuga de Peniche ocorrida no ano anterior. O colectivo partidário desenvolvia intensa actividade, reforçando a sua ligação à classe operária e às massas e repondo a via do levantamento nacional como caminho para o derrubamento do fascismo – e estavam em preparação as grandes lutas do início do ano seguinte, designadamente o poderoso 1.º de Maio de 1962 e a conquista das oito horas de trabalho pelos assalariados agrícolas da zona do latifúndio. 1961 foi, ainda, o ano do assalto ao Paquete Santa Maria; do início da luta de libertação do povo angolano; das grandes manifestações contra a farsa que foram as «eleições» para a Assembleia Nacional fascista; da fuga de Caxias, em 4 de Dezembro, de um conjunto de dirigentes e quadros do Partido; da libertação de Goa, início da derrocada do colonialismo português.

Mas 1961 foi, também, um ano de forte repressão. Dirigentes do Partido, como Octávio Pato, Carlos Costa, Pires Jorge e Américo de Sousa foram presos. E José Dias Coelho foi assassinado, no dia 19 de Dezembro, faz hoje precisamente 50 anos. Tinha 38 anos de idade e recordá-lo é recordar um exemplo de dignidade revolucionária, de coragem, de abnegação – um exemplo que nos dá mais força para prosseguirmos, hoje, a luta pelos ideais e pelos objectivos pelos quais ele deu a sua vida.

 

Artista militante e militante revolucionário

 

O camarada José Dias Coelho ficará para sempre na nossa memória colectiva e constitui uma referência permanente na luta que hoje travamos – luta que foi a dele enquanto «artista militante e militante revolucionário», nas palavras de Margarida Tengarrinha, sua companheira de luta e de vida, mãe das suas duas filhas – Teresa e Margarida – e também ela militante revolucionária e artista militante.

A última gravura que o artista militante e militante revolucionário criou, um mês antes de ser assassinado, representa, dir-se-ia que premonitoriamente, o assassinato do jovem operário Cândido Martins (Capilé) frente a uma manifestação popular, em Almada, e tem como legenda: «De todas as sementes deitadas à terra, é o sangue derramado pelos mártires que faz levantar as mais copiosas searas». A esses mártires nunca os esqueceremos.

Como diz a canção da resistência, os mortos, não os deixamos / para trás / abandonados / fazemos deles bandeiras / guias e mestres / soldados / dos combates que travamos. Ou seja: a luta continua.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: