Breves
Governo impõe arbitragem <br>na <i>Iberia</i>

O governo espanhol decretou, dia 27, a arbitragem obrigatória para solucionar o conflito que dura há vários meses entre os pilotos e a direcção da companhia aérea Iberia.

Os pilotos, em luta há vários meses contra a criação da Iberia Express, companhia de baixo custo, decidiram cancelar as greves previstas todas as segundas e sextas-feiras até Junho, reafirmando o empenho em chegar a um acordo.

Também em protesto contra a criação da Ibéria Express, o sindicato dos tripulantes de cabine (Stayla) convocou uma greve para os dias 4, 11 e 14.


Holanda aprova <br>austeridade

Já demissionário, o governo holandês conseguiu aprovar no parlamento um pacote de austeridade que irá vigorar pelo menos até às eleições antecipadas, em 12 de Setembro. Com o apoio dos liberais de esquerda, verdes e calvinistas, os centristas no poder adoptaram, dia 27, entre outras medidas, o aumento do IVA para 21 por cento, a subida da idade da reforma para 67 anos, o congelamento dos salários dos funcionários públicos, bem como um corte de 1600 milhões de euros das despesas com a Saúde.


Governo checo supera voto<br>de confiança

O Parlamento checo aprovou à justa, dia 27, um voto de confiança ao governo de centro-direita e ao seu programa de austeridade, apesar da deserção de um dos três partidos da coligação.

Os votos de 105 deputados permitiram a sobrevivência do governo de Petr Necas, contra o qual se pronunciaram 93 deputados e dois não participaram na votação.

Insistindo em medidas de austeridade que têm suscitado uma vaga de protestos sem precedentes, a popularidade do executivo de Necas não chega aos 20 por cento, sendo provável que a frágil maioria se desfaça antes de cumprir os dois anos que faltam do mandato.


<i>Lufthansa</i> despede <br>três mil

A companhia aérea alemã Lufthansa, pretende reduzir cerca de metade dos postos de trabalho administrativos, noticiou, dia 26, o diário alemão Bild Zeitung.

Os cortes drásticos atingem os serviços financeiros, gestão de pessoal e a área das reservas de voos.

Só em Frankfurt, onde a Lufthansa tem a sua sede, 1500 empregos serão suprimidos, segundo indica a mesma fonte, baseando-se num plano de reestruturação que data do final do mês de Março.

A Lufthansa não quis confirmar os números, mas admitiu que a eliminação de postos de trabalho é «inevitável» para se manter competitiva.


Grécia reestrutura <br>dívida

O governo grego deu como concluída, dia 25, a operação de reestruturação da dívida pública detida por investidores privados, revelando que participaram no processo cerca de 97 por cento dos interessados.

O ministro das Finanças, Philippos Sahinidis, afirmou-se satisfeito com «os resultados da troca de obrigações» que envolvem um montante aproximado de 199 mil milhões de euros ou 97 por cento do valor envolvido.

Os investidores aceitaram trocar os antigos títulos por novas obrigações emitidas pelo Estado helénico, prolongando os prazos e reduzindo os juros. Mesmo assim, segundo cálculos do governo e da União Europeia, a divida pública do Estado grego deverá ainda representar em 2020 cerca de 120 por cento do PIB.


Suíça limita imigração<br>do Leste

O governo da Suíça divulgou, dia 25, um sistema de quotas que impõe um número máximo de 2180 vistos de trabalho, para cidadãos de oito países do Leste europeu.

As quotas, que entraram em vigor no dia 1, pretendem restringir o fluxo actual calculado em quatro mil imigrantes provenientes da República Checa, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Polónia, Eslováquia e Eslovénia.