Eleições Regionais dos Açores
CDU elege um deputado

Nas eleições para a Assembleia Regional dos Açores, que se realizaram no domingo, a CDU confirmou a sua representação parlamentar, elegendo um deputado no círculo de compensação.

De Lisboa, Jerónimo de Sousa referiu que o resultado obtido foi construído no quadro de uma campanha marcada por uma «ostensiva desproporção de meios» e pela «indisfarçável promoção bipolarizadora para animar falsos distanciamentos entre PS e PSD», o que confirma a CDU como «uma importante força regional indispensável à luta por uma vida melhor e ao progresso da Região Autónoma dos Açores».

Sobre a maioria absoluta alcançada pelo PS, o Secretário-geral do PCP explicou que o resultado «não é alheio à abusiva utilização em seu benefício dos recursos e meios do poder regional», assim como «à penalização imposta pelos açorianos à governação nacional do PSD, mal-grado as manobras da candidatura regional deste partido para simular um falso distanciamento com Passos Coelho e a direcção do seu partido».

Jerónimo de Sousa alertou, entretanto, para as consequências da política prosseguida pelos subscritores do pacto de agressão, aceite pelo Governo Regional do PS, que «agride duplamente os trabalhadores e o povo açoriano e atenta contra a autonomia da Região», e advertiu para o «risco de novas agressões aos rendimentos, condições de vida e direitos dos açorianos».

Prosseguir o trabalho

Numa declaração em Ponta Delgada, Aníbal Pires, eleito deputado pela CDU, admitiu que os resultados obtidos ficaram aquém «do que nos tínhamos proposto» «Os nossos objectivos – um governo de maioria relativa e um reforço da CDU – eram muito claros e julgamos que se tivessem sido atingidos seriam os que melhor teriam serviço o povo açoriano», afirmou, lembrando que os Açores vivem «um período muito conturbado, quer a nível nacional, quer a nível regional», sendo necessário que «outras forças políticas pudessem dar um contributo diferente».

De qualquer forma, adiantou, o facto de se ter mantido a representação parlamentar garante que a CDU «vai prosseguir o seu projecto político» de modo a defender a Autonomia e o povo açoriano «das medidas penalizadoras que o Governo da República tem vindo a implementar».

Resultados totais oficiais

Inscritos: 225 112

Votantes: 107 783 votos (47,88%)

Abstenção: 117 329 votos (52,12%)

Brancos: 3460 votos (3,21%)

Nulos: 1388 votos (1,29%)

Votos

PS: 52 793 votos (48,98%) – 31 mandatos

PSD: 35 550 votos (32,98%) – 20 mandatos

CDS-PP: 6 106 votos (5,67%) – 3 mandatos

BE: 2437 votos (2,26%) – 1 mandato

PCP-PEV: 2 041 votos (1,89%) – 1 mandato

PPM: 86 votos (0,08%) – 1 mandato

PDA: 530 votos (0,49%)

PCTP/MRPP: 347 votos (0,32%)

PTP: 470 votos (0,44%)

PPM/PND: 1064 votos (0,99%)

MPT: 833 votos (0,77%)

PAN: 678 votos (0,63%)



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: