Incidente com o avião de Morales foi tema na visita ao Equador
Manifesto recolhe apoios em todo o mundo
Solidariedade com Evo Morales

Por iniciativa do PCP e do PC da Bolívia, dezenas de partidos e organizações políticas subscreveram uma «Tomada de posição de solidariedade com o presidente Evo Morales e o povo boliviano».

Foto LUSA

Image 13720


O incidente na Europa com o avião presidencial boliviano é considerado como um atentado à vida e à segurança do presidente Evo Morales e é entendido mesmo como um acto que se enquadra «na definição de terrorismo de Estado». São acusações dirigidas aos governos português, espanhol, francês e italiano num manifesto, da iniciativa conjunta dos Partidos Comunistas português e boliviano, que conta já com a subscrição de 45 organizações e partidos comunistas de todo o Mundo.

O documento condena as decisões destes quatro países europeus que, violando os «elementares princípios do direito e das convenções internacionais» impediram o «sobrevoo e aterragem do avião oficial que transportava o Presidente do Estado Plurinacional da Bolívia».

Consideram os signatários que o comportamento dos governos destes quatro países da Europa configura um acto ilegal e que, «do ponto de vista do direito internacional, se pode enquadrar na definição de terrorismo de Estado». Exigem , por isso, dos governos destes quatro países da Europa um «pedido de desculpas formal» ao Presidente Evo Morales e ao povo boliviano, bem como um esclarecimento «público e cabal dos contornos de tais decisões», pretendendo ainda uma condenação por parte dos «órgãos competentes da Nações Unidas».

No referido manifesto, os subscritores consideram que esta decisão política dos governos de Portugal, Espanha, França e Itália, para além de ser «inédita na Europa em tempo de paz», foi condicionada pela política externa norte-americana, uma vez que está associada a uma tentativa da Administração dos EUA de perseguição de um «ex-agente da Agência de Segurança Nacional», Edward Snowden, que denunciou a existência de uma «rede internacional de espionagem em massa, que põe em causa os mais elementares direitos, liberdades e garantias dos povos, bem como a soberania dos estados». Na altura do incidente era apresentada como justificação a possibilidade de Edward Snowden viajar no avião do presidente Evo Morales, que regressava de uma visita à Federação Russa. 

Subscritores

Até ao momento subscreveram o documento os seguintes partidos e organizações: Alternativa Nova Nação (Guatemala), Novo Partido Comunista Britânico, Novo Partido Comunista da Jugoslávia, Partido Argelino para a Democracia e Socialismo, Partido Comunista Alemão, Partido Comunista Brasileiro, Partido Comunista Britânico, Partido Comunista da África do Sul, Partido Comunista da Boémia e Morávia (Rep. Checa), Partido Comunista da Bolívia, Partido Comunista da Dinamarca, Partido Comunista da Federação Russa, Partido Comunista da Grécia, Partido Comunista da Índia, Partido Comunista da Índia (Marxista), Partido Comunista da Irlanda, Partido Comunista da Turquia, Partido Comunista de Cuba, Partido Comunista de Espanha, Partido Comunista do Brasil, Partido Comunista do Chile, Partido Comunista do México, Partido Comunista do Paquistão, Partido Comunista dos Povos de Espanha, Partido Comunista Libanês, Partido Comunista na Dinamarca, Partido Comunista Português, Partido Comunista Unificado da Geórgia, Partido da Refundação Comunista (Itália), Partido do Povo (Panamá), Partido do Trabalho da Bélgica, Partido dos Comunistas Italianos, Partido dos Trabalhadores da Irlanda, Partido Operário Húngaro, Partido Progressista do Povo Trabalhador (Chipre), Partido Tudeh do Irão, Rede dos Comunistas (Itália), União do Povo Galego (Espanha), Partido Comunista da Venezuela, Tribuna Democrática Progressista (Bahrain), Partido Comunista Egípcio, Partido Comunista dos EUA, Partido Comunista do Canadá, Partido Comunista do Uruguai, Partido Comunista da Roménia. 

Evo Morales no Equador 

Entretanto, o presidente da Bolívia chegou esta segunda-feira, 22, ao Equador para uma visita oficial, tendo sido recebido no aeroporto Marechal de Sucre com as honras de Chefe de Estado.

O incidente com o avião presidencial boliviano foi um dos temas abordados entre Morales e Rafael Correa. Nesta primeira visita oficial do presidente boliviano ao Equador, Morales assinou com o seu homólogo do Equador vários acordos de cooperação bilateral.

Segunda a Prensa Latina, ambos os presidentes debateram as relações regionais e o funcionamento de organismos como a Aliança Bolivariana para estes dois povos da América, (ALBA) e a União de Nações Sul-americanas (Unasul).

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: