PCP contra venda da Caixa Seguros e Saúde
Novo golpe na economia nacional

A decisão do Governo de vender por mil milhões de euros à Fuson International Limited 80 por cento do capital do social das empresas seguradoras do Grupo Caixa Seguros e Saúde (Fidelidade, Multicare e Cares), constitui, para o PCP, um crime contra a economia nacional e os interesses dos trabalhadores. Num comunicado do seu Gabinete de Imprensa emitido no dia 9, o PCP salienta que este negócio – que culmina o processo de privatização do grupo – significa que o Estado abdica de intervir num sector da maior importância para o País, deixando a «quase totalidade da actividade seguradora em Portugal nas mãos do capital estrangeiro».

O PCP, que chama ainda a atenção para o facto de poderem estar em risco muitos dos 3000 postos de trabalho assegurados por estas empresas do Grupo Caixa, lembra que estas são responsáveis por 30 por cento da actividade seguradora no País, constituindo ainda uma «importante fonte de receita (mais de 600 milhões de euros desde 2006 até hoje) para o único grupo financeiro público no nosso País». O Partido alerta ainda para o processo pouco transparente e pouco credível que esteve por detrás deste negócio. Ainda há pouco tempo, recorda o PCP, e antecedendo o anúncio da privatização, foi reduzido em 37 por cento o capital social da Fidelidade, para assim tornar o negócio mais apetecível aos potenciais compradores.

Os comunistas apelam ainda aos trabalhadores do Grupo Caixa Seguros e Saúde para que lutem em defesa dos seus direitos laborais, a começar pelo próprio direito ao trabalho. 




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: