A luta persistente pelos salários
tem efeitos também na defesa
de direitos
Acordada actualização na Acciona
Unidade melhora salários

O SITE Sul valoriza o acordo alcançado na Acciona, para os trabalhadores colocados na Portucel, em Setúbal. A luta por melhores salários desenvolve-se noutras empresas e sectores.

Image 19240

«Quando os trabalhadores estão unidos em torno do seu sindicato, é possível lutar e conquistar melhores condições de vida e de trabalho», comentou o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul, ao revelar os resultados do acordo e a forma como ele foi alcançado. 
Num comunicado de dia 19, o sindicato da Fiequimetal/CGTP-IN relata que os trabalhadores da Acciona colocados na ATF (a unidade mais recente da Portucel, em Setúbal) estavam descontentes com os baixos salários praticados e com a falta de abertura da administração para negociar aumentos.
No dia 7, numa reunião realizada com o apoio do SITE Sul, os trabalhadores começaram por decidir aderir ao pré-aviso emitido pela Fiequimetal e fazer greve ao trabalho extraordinário. Afirmaram ainda que estariam disponíveis para desencadear outras acções de luta, caso a empresa continuasse a não tomar em conta as suas reivindicações.
No dia 13, em plenário, foram eleitos dois delegados sindicais e foi reafirmada a disponibilidade dos trabalhadores para a continuação da luta. No seguimento do plenário, o sindicato encetou reuniões de negociação com responsáveis da Acciona na ATF.
O entendimento foi alcançado no dia 15, ao fim de três reuniões de negociação. Para produzir efeitos a partir de 1 de Outubro, para todos os trabalhadores, ficou acordado que o prémio de assiduidade e o prémio de chefia são integrados no salário-base, que é aumentado.
O sindicato apresentou as contas destas duas alterações: a integração do valor dos prémios e o aumento do salário-base representam um crescimento salarial de cerca de 11 por cento, que tem reflexos no aumento do subsídio de turno e no valor do trabalho extraordinário. O salário-base passou de 520,83 euros para 580, no que se refere à generalidade dos trabalhadores, e de 587,85 euros para 685,50, relativamente aos que têm cargos de chefia.
O subsídio de alimentação passa a ter um valor diário de 6,83 euros para todos, o que representa um aumento geral de 42 cêntimos. Os trabalhadores que recebiam um subsídio de alimentação de valor inferior a 6,41 euros terão ainda direito ao pagamento de retroactivos desde 1 de Janeiro de 2015.
O SITE Sul considera que, concluído este acordo, «é possível e necessário continuar a melhorar as condições de vida e de trabalho», para o que ficou logo agendada nova reunião com a administração da Acciona.

Contabilidade

Para os trabalhadores em empresas de contabilidade, auditoria e administração, o Sindicato do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal acordou em Setembro novos salários, para vigorarem de 1 de Julho a 31 de Dezembro. Ficou já acertado com a associação patronal APEC abrir nesta altura nova negociação.
O CESP/CGTP-IN informou que os salários para este semestre têm uma actualização de 1,5 por cento e o subsídio de refeição passa para 6,20 euros por dia.
As negociações «arrastaram-se vários meses, dada a intransigência da associação patronal», que alegava estarem as empresas numa situação económica difícil. O valor máximo da tabela agora acordada é de 1060 euros.


Reivindicação e luta

No Grupo LIDL, o CESP reivindica para 2016 um aumento salarial de um euro por dia e dez por cento de desconto em compras nas lojas para todos os trabalhadores. Mas o sindicato exige igualmente calçado adequado a tarefas que requerem passar muito tempo em pé.
Na «folha sindical» de Outubro para o pessoal da rede de supermercados alemã são referidas ainda várias outras reivindicações, relativas a condições de higiene, saúde e segurança, organização de horários e garantia de descanso compensatório, cumprimento do contrato colectivo no pagamento do «subsídio de domingo», integração dos trabalhadores externos e de empresas de trabalho temporário nos quadros da empresa, entre outras. São dadas importantes informações quanto a direitos inscritos na lei e na contratação colectiva e que devem ser cumpridos pela empresa.

Como ganhos conseguidos, o sindicato refere que já foram devidamente corrigidas as categorias profissionais dos trabalhadores das lojas e entrepostos.O Grupo Dia/Minipreço invocou redução de vendas, em 2014, para não responder positivamente às propostas dos trabalhadores. Na informação sindical de Outubro, o CESP publicou uma síntese das posições patronais, incluindo algumas respostas positivas pontuais (como o fim das balanças altas nas caixas das lojas, a actualização dos salários dos trabalhadores em funções de 3.ª chefia, o reconhecimento de irregularidades na organização dos horários de trabalho nas lojas, as medidas de resolução dos problemas apontados nos armazéns de Alverca, Torres Novas e Valongo). São feitos vários alertas quanto a problemas que é necessário solucionar rapidamente, como pressões e assédio moral, desigualdades salariais, reduzidos quadros operacionais nas lojas.

Reclamar nos locais de trabalho o aumento dos salários e subsídios de refeição foi o apelo dirigido pelo CESP aos trabalhadores das empresas de supermercados, hipermercados, grandes armazéns, logísticas e cadeias de lojas especializadas, depois de dar conta dos resultados da reunião que, a 29 de Setembro, marcou o reinício da fase de conciliação da revisão do contrato colectivo.
Em matéria salarial, a associação patronal APED – que representa Continente, Pingo Doce, Auchan, El Corte Inglés, DIA/Minipreço, LIDL, Ikea, AKI, Leroy Merlin, Gant, Companhia dos Perfumes, C&A, H&M, Toys"R"Us e Norauto – mudou de 20 para 24 cêntimos por dia, para compensar cinco anos sem actualização dos salários na tabela do Contrato Colectivo de Trabalho que regula as relações de trabalho de mais de 105 mil trabalhadores.
No entanto, os representantes patronais persistem em cortar 77 cêntimos por dia no rendimento dos trabalhadores, através da redução do valor do pagamento do trabalho suplementar e em dia feriado.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: