Esta capitalização vale 60 vezes
os dois milhões
de euros
exigidos à MSC
Estado perde milhões no negócio da CP Carga
O crime das locomotivas

As comissões de trabalhadores da CP e da CP Carga, num comunicado conjunto, vieram chamar a atenção para as informações mais recentes sobre o «sinistro negócio» da privatização da transportadora ferroviária de mercadorias.

Na privatização da CP Carga por venda directa, ainda não consumada, à MSC Rail, os contornos têm sido escondidos dos trabalhadores e do Parlamento. Com base nos detalhes de que foram tomando conhecimento, as CT da CP Carga e da CP (a empresa pública que detém a totalidade do capital daquela) tomaram posições públicas e alertaram o Tribunal de Contas e a Autoridade da Concorrência. Na semana passada, emitiram um comunicado conjunto a denunciar a «particular gravidade» dos «últimos dados disponíveis sobre este sinistro negócio», que se prendem com a «capitalização em espécie» da CP Carga, ou seja, a transferência para a posse desta das 59 locomotivas que pertencem à CP e que, desde a criação da CP Carga, são usadas em regime de aluguer.
A operação aparentemente contabilística significa, afinal, que «o erário público tudo perde e a multinacional MSC tudo ganha». «Um crime», dizem as estruturas representativas dos trabalhadores.

A dívida
e o bónus

A dívida da CP Carga tem servido para justificar a intenção de privatização, recorda-se no comunicado, ressalvando que o resultado da operação «crescia de ano para ano» e 2014 foi o melhor de sempre.
A dívida crescente tem origem numa decisão tomada na altura em que a CP Carga foi autonomizada da empresa-mãe: as locomotivas com que a CP Carga funcionava continuaram a ser propriedade da CP, que receberia uma renda pelo seu funcionamento e manutenção; os vagões passaram para a CP Carga, com as obrigações do respectivo leasing. Para fazer face a estes encargos, a CP Carga endividou-se e teve também que pagar juros à banca.
As CT apresentam números que mostram como se chegou à dívida de 120 milhões de euros. Para o leasing remanescente dos vagões foram 30 milhões. As rendas das locomotivas pagas desde 2009 podem ser estimadas a partir dos 18,8 milhões de euros referentes a 2014. Neste mesmo ano, os juros da dívida foram de sete milhões de euros.
Em 2015, o Governo veio defender como bom negócio a venda da CP Carga por dois milhões de euros, «passando por cima do facto de ter activos superiores a 60 milhões».
Acresce a intenção do Governo PSD/CDS de realizar um aumento de capital social em espécie, transferindo as locomotivas para a posse da CP Carga. Para este efeito, referem as comissões de trabalhadores, o parque das 59 locomotivas foi avaliado em 116 milhões de euros.
Logo numa primeira conclusão, esta operação limpa a dívida da CP Carga privatizada, à custa de uma descapitalização de igual montante da CP pública, enquanto a compradora MSC apenas paga dois milhões.
O prejuízo público surge substancialmente agravado, depois de se observar a avaliação das locomotivas. As CT não questionam o valor atribuído a 29 locomotivas eléctricas, mais recentes. Mas não compreendem as grandes diferenças entre os valores das 30 locomotivas a diesel, que variam entre 17 mil e 310 mil euros cada. «Atribuir a uma locomotiva a circular um valor inferior ao seu valor em sucata é inadmissível», protesta-se no comunicado, realçando que «todas estão em condições de circular».
O facto de estar apta para o serviço na ferrovia portuguesa significa que, mesmo perto do fim de vida útil, qualquer uma daquelas locomotivas possui «equipamentos embarcados» que valem cerca de 145 mil euros e podem ser retirados e montados noutro veículo que vá circular na rede ferroviária nacional. O valor estimado dos «equipamentos embarcados» das 59 locomotivas ultrapassa 8,5 milhões de euros.
Também sem contar para o valor da «capitalização», a CP pública decidiu ainda oferecer à CP Carga privatizada um conjunto de peças sobressalentes para a manutenção do parque de locomotivas, o qual deverá valer dez por cento do valor das máquinas. Isto representaria 11,6 milhões de euros, mas significa muito mais, porque as locomotivas estão largamente subavaliadas pela CP.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: