Editorial

«Audaciosa manifestação de confiança no futuro»

GRANDE ÊXITO<br>DA CAMPANHA

Chegou ao fim a Campanha Nacional de Fundos para aquisição da Quinta do Cabo subordinada ao lema «Mais espaço, mais Festa – Futuro com Abril». O êxito alcançado tem um significado que vai muito para lá da sua expressão nos importantes resultados financeiros conseguidos – mais de um milhão e duzentos mil euros.

A Campanha Nacional de Fundos insere-se na acção geral de um Partido de classe, que tudo faz para assegurar os recursos financeiros necessários e indispensáveis ao desenvolvimento da sua intensa actividade na base da iniciativa própria, do apoio e contribuição dos militantes e amigos.

A Campanha Nacional de Fundos, que teve início no grande Comício realizado na Quinta da Atalaia, em 4 de Outubro de 2014, foi uma tarefa desde cedo assumida pelo colectivo partidário como uma grande campanha de massas, aberta aos trabalhadores, ao povo, a todos os democratas e patriotas. Uma tarefa que, a par dos seus elevados resultados financeiros, promoveu a afirmação do Partido e criou melhores condições para a Festa do Avante! agora alargada ao novo espaço da Quinta do Cabo. Foi uma tarefa que contou com o sentido de responsabilidade, o entusiasmo, criatividade, imaginação e iniciativa própria das organizações regionais e sectores materializada num vasto e diversidade conjunto de acções.

Mas confirmou também que o PCP tem a determinação, a confiança e a força necessária para lutar e realizar o seu ideal e o seu projecto da democracia avançada – os valores de Abril no futuro de Portugal, do socialismo e do comunismo. De facto, mesmo num quadro de grandes dificuldades, exploração e desigualdades sociais, não faltou o apoio ao PCP, cuja força, mobilização e capacidade de intervenção é obra colectiva e emana da sua profunda ligação aos trabalhadores e ao povo português. E também mostra, nesta situação económica e social muito difícil, a grande identificação com o Partido o seu papel e projecto emancipador na sociedade portuguesa.

O grande êxito alcançado é revelador da capacidade dos comunistas e seus amigos, a mostrar que também neste domínio é possível ir mais longe na luta de todos os dias pela independência financeira do Partido condição fundamental da sua independência política e ideológica.

Evidencia, por outro lado, o prestígio, capacidade de envolvimento e de atracção da Festa do Avante!, que este ano realiza a sua 40.ª edição em novas e melhores condições ao juntar a Quinta do Cabo à Quinta da Atalaia. E assim vai ser ainda mais a maior realização político-cultural em Portugal.

Este êxito constitui um importante acontecimento que se insere da melhor forma na preparação da 40.ª edição da Festa do Avante! cuja divulgação, venda da EP, construção e funcionamento colocam acrescidas exigências às organizações regionais e sectores e no trabalho de preparação do XX Congresso do Partido.

A situação política continua marcada pela acção, iniciativa e influência do PCP. Apesar da cortina de silêncio com que a comunicação social dominante procura ocultar essa intensa actividade, a verdade é que é este o Partido que se continua a bater, em todos os planos, na defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo e do País. Intervém, no actual quadro político, pela defesa, reposição e conquista de direitos aproveitando as oportunidades abertas pela nova correlação de forças na Assembleia da República. E, com a luta dos trabalhadores e do povo, continua o combate pela ruptura com a política de direita e com os constrangimentos ao nosso desenvolvimento soberano. Nesse sentido, o PCP apresenta e debate soluções concretas para uma alternativa patriótica e de esquerda em que se integram as iniciativas que realizou recentemente sobre a renegociação da dívida, a libertação do País da submissão ao euro e o controlo público da banca. Alternativa necessária e possível como o demonstra o crescente alargamento da convergência com democratas e patriotas por este objectivo.

Foi importante a interpelação ao Governo centrada nos problemas das assimetrias regionais, da desertificação e do despovoamento do território e nas políticas necessárias para assegurar o desenvolvimento equilibrado do País. Políticas em que se inserem, entre outras, as iniciativas legislativas do PCP para a reposição das freguesias; pela eliminação das portagens nas auto-estradas do interior e do Algarve; em defesa dos serviços públicos; pelo desenvolvimento do aparelho produtivo; pela criação de emprego com direitos; contra a precariedade; por melhores salários e pensões; pela concretização do horário das 35 horas para todos os trabalhadores da Administração Pública (AP) a vigorar a partir de 1 de Julho.

Decorre a Semana de Luta da CGTP-IN com muitas acções desenvolvidas pelo movimento sindical unitário por todo o País muitas das quais se vão realizar ainda hoje e amanhã. No plano do desenvolvimento da luta de massas, continua a ser necessário intervir, esclarecer e mobilizar. E prosseguir com confiança este combate para defender, repor e conquistar direitos e assegurar a ruptura com a política de direita e a implementação da alternativa patriótica e de esquerda necessária.

O êxito da Campanha Nacional de Fundos mostra que com o reforço do PCP, a intensificação da luta de massas, a dinamização do trabalho unitário e da convergência com democratas e patriotas é possível um Portugal desenvolvido e soberano.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: