CNA contesta redução <br>da produção de leite

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) acusou, quinta-feira, 21, o Ministério da Agricultura de estar a cometer um erro estratégico ao insistir nos apoios para reduzir a produção de leite.

Em comunicado, a CNA defende que «Portugal necessita de ajudas mas para produzir mais e ainda melhor» e condena a «ajuda especial» decidida no Conselho Agrícola, no dia 18, para apoiar a redução voluntária de leite, o que «não garante a resolução da crise do leite porque não vem restabelecer o equilíbrio entre a oferta e a procura e não garante o aumento dos preços do leite na produção».

No documento, a Confederação informa que desde o fim das «quotas leiteiras» alguns países, como a Irlanda, o Luxembrurgo, a Bélgica, a Holanda, «aumentaram, e bastante, a sua produção de leite ao contrário daquilo que acontece em Portugal».

Contribuição audiovisual

Na sexta-feira, a CNA reclamou ao Governo «a reposição da isenção da contribuição audiovisual para a agricultura», que deixou de vigorar desde o início do mês de Julho.

A contribuição audiovisual custa, em 2016, 2,85 euros por mês, ou seja, cerca de 34 euros anuais por cada contrato, havendo agricultores que possuem diversos contratos para fornecimento de electricidade tendo em conta a dispersão da sua unidade produtiva.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: