• Manuel Gouveia

Desbaratar

Há por aí quem diga que «os portugueses vivem acima das possibilidades», ou que sobre o OE para 2018: «trata-se de não desbaratar aquilo que deu tanto trabalho aos portugueses». A tese, brilhantemente vendida nesta síntese, é a de «andámos» os últimos anos a amealhar e agora há uns privilegiados (trabalhadores) que querem gastar isso em seu proveito exclusivo.
A síntese é brilhante e eficaz, mas é falsa, e expõe o papel de Marcelo como manipulador ao serviço  do grande capital. Os manipuladores da opinião pública fazem vingar as suas teses por força da sua sistemática repetição, por isso nunca é demais repetir os desmentidos, ainda que não tenhamos a capacidade de amplificar que está reservada à classe dominante.
Desde logo é falsa a tese de que «todos os portugueses» tenham andado a fazer a mesma coisa entre 2009 e 2015. Há uns quantos portugueses, pequenos em número, grandes na percentagem do PIB de que se apropriam, que passaram esses anos a ficar mais ricos. E há os outros, onde se inclui a generalidades dos reformados, dos trabalhadores e dos pequenos e médios empresários, que passaram esses seis anos a ver os seus rendimentos diminuir. E o que a uns foi oferecido a outros foi roubado, sem esquecer que os segundos ainda tiveram de pagar do seu bolso o dízimo à agiotagem internacional.
Depois é falsa a tese de que este Orçamento «dá» aos trabalhadores. Ele limita-se quase sempre a repor rendimentos roubados, e em muitos casos só parcialmente. Não que isso não seja importante e de valorizar, que o é e muito. Mas não é mais do que isso: remunerações que estavam a ser roubadas e deixaram de o ser; direitos que estavam suspensos e deixaram de o estar; impostos que tinham sido aumentados e agora foram reduzidos.
Se este Orçamento desbarata recursos é na agiotagem, nas centenas de milhões que manda pagar ao Santander por swaps, nos milhares de milhões em juros de uma dívida tantas vezes ilegítima.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: