• Anabela Fino

Armazenar

Armazenar é um verbo transitivo que significa «recolher em armazém, depositar, conservar, reunir». O termo aplica-se a qualquer produto independentemente do estado em que se encontra (sólido, líquido ou gasoso), que como todos os produtos armazenados é susceptível de interagir/reagir a acções e acontecimentos externos. A água num depósito, por exemplo, derrama-se e perde-se no solo se o seu recipiente se partir. Se o reunido forem tijolos, muitos se quebrarão na derrocada, dependendo da força do impacto. E se for um gás? Sendo os gases compostos moleculares que se caracterizam pela grande capacidade de se expandirem, não é difícil perceber que a destruição da embalagem os libertará, levando a que se espalhem livremente.

Vêm estas considerações óbvias a propósito dos ataques de 14 de Abril levados a cabo pelos EUA, Inglaterra e França, em retaliação ao suposto ataque químico a Douma, contra três alvos alegadamente relacionados com a produção e armazenamento de armas químicas e biológicas na Síria: um laboratório que segundo nos disseram seria usado para a «investigação, desenvolvimento e testes», perto de Damasco; um depósito onde estavam armazenadas as principais reservas de gás sarin (sublinhado nosso), em Homs; e um armazém e «importante centro de comandos» na mesma cidade. Os locais atingidos, veio informar o incontornável Observatório Sírio dos Direitos Humanos, estariam ligados ao Instituto de Estudos Científicos e Centro de Investigação, a entidade que a troika retaliadora acredita ser o centro de produção de armas químicas do governo de Bashar al-Assad.

As manifestações de apoio a estae agressão não se fizeram esperar, Portugal incluído. O Governo e o Presidente da República disseram compreender as razões que levaram ao ataque, sublinhando o facto de os bombardeamentos terem sido feitos por «três países amigos e aliados de Portugal» que é uma curiosa forma de dizer que os inimigos dos meus amigos meus inimigos são, mesmo que não saiba porquê...

Deixando de lado todas as incoerências e cegas «certezas» com que a comunicação social nos bombardeou nos últimos 15 dias a propósito deste assunto, uma questão me atormenta sem que vislumbre no horizonte, já não digo uma perspectiva de resposta, tão só a formulação da pergunta elementar: o que é que aconteceu ao gás armazenado depois de os armazéns levarem com não sei quantas bombas em cima, que como garantiram os senhores que sabem destas coisas «atingiram com sucesso todos os alvos»? Sumiu-se? Evaporou-se? Escafedeu-se? Sem consequências? Sem as vítimas que é suposto causar quanto o «ataque» é do governo sírio? Nem uma intoxicação para a gente ver?

Às voltas com este mistério, recorro de novo ao dicionário, amigo de confiança, e lá descubro que em sentido figurado armazenar significa reter na mente. Pois. Mas o quê?

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: