Editorial

«grande confiança na luta e nas tarefas que temos pela frente»

VAMOS À FESTA!

Sobre a Festa do Avante!, a sua história desde a primeira edição em 1976, o seu significado e importância, todos os anos confirmado nas suas 41 edições, a sua dimensão e a sua beleza, o lugar ímpar que ocupa no mapa nacional, em resumo, sobre todo o exaltante processo da sua construção e dos três dias da sua realização muito se disse e escreveu desde a primeira Festa até hoje.

E tudo o que se dissemos e escrevemos permanece válido e actual. Esta é uma festa que se distingue de todas as outras, como sublinhava Álvaro Cunhal no comício de encerramento da primeira Festa do Avante!, em 1976: «Esta festa do nosso glorioso Avante!, do nosso glorioso Partido, é a maior, a mais extraordinária, a mais entusiástica, a mais fraternal e humana, realizada no nosso país».

Eis uma verdade constatada ao longo das 40 edições que se seguiram e que amanhã, a partir das 18 horas, vamos ver uma vez mais confirmada no nosso belo espaço da Quinta da Atalaia agora alargado à Quinta do Cabo.

Do mesmo modo que, durante os próximos três dias, quem quiser reflectir sobre a forma como a Festa é construída, sobre o conteúdo e diversidade das suas iniciativas, sobre os objectivos políticos que a percorrem, sobre o fraterno convívio que a habita no processo que vai da sua construção à sua realização, enfim, sobre o Partido que a constrói, concordará com as palavras de Álvaro Cunhal naquele comício memorável: «De tudo nesta Festa se desprende a força indestrutível do Partido da classe operária e do povo trabalhador de Portugal – o Partido Comunista Português. A Festa do Avante! é um testemunho vivo dos objectivos e da luta do nosso Partido. Eles estão presentes em cada canto deste vasto recinto» - ou, saltando no tempo, com as palavras proferidas por Jerónimo de Sousa na saudação aos construtores da Festa, no passado dia 25 de Agosto, ao valorizar o empenhamento na construção da Festa de homens, mulheres e jovens, «num tempo em que se colocam tantas exigências decorrentes da situação política e social e da necessidade de reforçar o nosso Partido», realçando que tal só é possível graças ao Partido que temos e somos.

Uma Festa como esta – feita como é e por quem é – contou sempre e volta a contar este ano com uma linha de ataque por parte de alguns órgãos da comunicação social dominante, que ora recorrem à calúnia e à mentira, ora tentam ocultar a Festa pelo silenciamento. Tentam, desta forma, denegrir ou desvalorizar a Festa para atingir o Partido Comunista Português, preocupados com o alargamento do seu prestígio e influência social, bem visível, aliás, na extraordinária mobilização de massas que a Festa constitui.

Mas, tal como não lograram até hoje cortar as profundas raízes que a Festa criou no povo português, tão pouco conseguirão atingir o PCP, cujo enfraquecimento, declínio e morte irreversíveis vezes sem conta anunciaram.

Mas a Festa do Avante!, sendo um espaço único de cultura, de arte, de convívio, de desporto de intervenção política, é, simultaneamente, uma grande jornada de luta, parte integrante da luta geral dos trabalhadores e do povo português e importante ponto de passagem para as lutas e tarefas do futuro imediato: as lutas para levar mais longe a defesa, reposição e conquista de direitos, as lutas pela ruptura com a política de direita e pela concretização da alternativa política patriótica e de esquerda, as tarefas inerentes à preparação de dois actos eleitorais (Parlamento Europeu e Assembleia da República) que temos pela frente em 2019, as tarefas que se colocam aos comunistas visando o reforço do Partido.

Assim foi em cada Festa do Avante!, assim será a Festa deste ano. Uma Festa que vale a pena desfrutar, pelos seus valores, pelo ambiente geral, pela diversidade dos seus centros de interesse susceptíveis de responder às expectativas e motivações de cada visitante.

E, ao mesmo tempo que prepara a Festa do Avante!, o PCP desenvolve a acção para o seu reforço procurando concretizar as orientações e prioridades definidas.

No passado domingo realizaram-se eleições autárquicas intercalares para a Assembleia de Freguesia de Darque (no concelho de Viana do Castelo). A CDU obteve uma importante vitória ao subir em percentagem e número de mandatos (de 4 para 6), passando a deter a presidência desta junta de freguesia com maioria relativa.


Prossegue a luta de massas com a acção reivindicativa a desenvolver-se nas empresas e sectores com diversas acções em concretização e muitas outras marcadas para os próximos tempos.

São muitas as razões para encararmos com grande confiança a luta e as tarefas que temos pela frente no futuro imediato. Estamos certos de que a quadragésima segunda edição da Festa do Avante! que amanhã abrirá as suas portas será um forte estímulo ao seu prosseguimento.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: