Importante e única iniciativa congregadora de mulheres do País
Congresso do MDM reclama igualdade na vida

MULHER Sob o lema «igualdade na vida. O combate do nosso tempo», o Movimento Democrático de Mulheres (MDM) realiza no sábado, 27, em Setúbal, no Fórum Municipal Luísa Todi, o seu X Congresso.

Esta importante e única iniciativa congregadora de mulheres do País tem como objectivos aprofundar o conhecimento sobre a situação da mulher portuguesa e analisar em que ponto estamos quanto ao seu estatuto na sociedade, mas também qual a sua participação nas comunidades locais, seja na vida social, desportiva, cultural, seja na vida política nacional.

Prevista está já a participação de 350 congressistas, aderentes do Movimento, e 140 convidadas. Este acontecimento político da maior importância para o MDM, que este ano celebra 50 anos de existência, conta com a participação da presidente da Câmara Municipal de Setúbal, de vereadoras e eleitos nos órgãos autárquicos da região, bem como individualidades ligadas à vida cultural, social e política.

Presente estará, também, a presidente da Federação Democrática Internacional de Mulheres, Loreana Peña, deputada e ex-presidente da Assembleia Legislativa da República de El Salvador, e organizações de mulheres vindas de outros países, como Cabo-Verde, Guiné, Chipre e Espanha.

O X Congresso do MDM vai eleger, durante os trabalhos, uma nova direcção e traçar perspectivas para os próximos quatro anos, que é o período entre Congressos de acordo com os seus Estatutos.

Entre as 18h00 e as 19h00 tem lugar um momento musical, aberto ao público, com Kelly Viega, Celina da Piedade, Cantadeiras de Essência Alentejana, Cantares de Alcáçovas e Ceifeiras de Pias. A poesia estará a cargo de Dilia Samarth, Joana Tomé, Graça Ochoa, Marília Espírito Santo e Olga Dias.

Defender a dignidade das mulheres
No passado dia 16, foi entregue, na Assembleia Municipal de Lisboa, a petição «Em defesa da dignidade das mulheres – prostituição não é trabalho», promovida pelo MDM, Associação «O Ninho» e Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres. O documento surgiu depois de a Câmara Municipal de Lisboa ter anunciado a criação de uma «plataforma local de intervenção da área do trabalho sexual».

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: