Editorial

A CDU TEM SOLUÇÕES PARA O PAÍS

Na passada sexta-feira, dia 15, foi apresentada em Lisboa a lista de candidatos da CDU às eleições para o Parlamento Europeu. Trata-se de uma candidatura, como sublinhou o 1.º candidato, João Ferreira, de «mulheres e homens comprometidos com as causas do progresso e da justiça social, da liberdade e da democracia, da soberania e da independência nacionais, da defesa da natureza, da cultura, da paz e da cooperação. Gente que assume enriquece e projecta na sua acção o património de valores, de intervenção e luta da CDU, em defesa do povo e do País». É, de facto, uma lista distintiva, constituída por militantes do Partido Comunista Português, do Partido Ecologista «Os Verdes», membros da Associação Intervenção Democrática e por candidatos independentes com um percurso de intervenção cívica e política reconhecida e relevante em defesa dos trabalhadores, do povo e do País.

Apresentada a lista, prossegue a batalha eleitoral dinamizando contactos e esclarecendo os trabalhadores e o povo para a importância de votar na CDU para avançar para um novo patamar de resposta aos problemas nacionais, através de uma política alternativa patriótica e de esquerda, sem desperdiçar nenhuma oportunidade para conquistar e consolidar novos avanços.

E enquanto a CDU se afirma junto dos trabalhadores e do povo português através de uma campanha eleitoral de massas, como se verificou este fim-de-semana nos contactos do primeiro candidato da lista com mariscadores, viveiristas e pescadores em Olhão ou no comício em Vila Real de Santo António, os órgãos da comunicação social dominante controlados pelos grandes grupos económicos prosseguem a sua acção de silenciamento das propostas e mensagem da CDU, promovem e projectam as candidaturas do PS, PSD, CDS e BE e desenvolvem contra o PCP linhas de difamação e de ataque que, visam prejudicar a campanha e os resultados eleitorais da CDU.

Foi neste quadro que o PCP prosseguiu as comemorações do seu 98.º aniversário com iniciativas por todo o País com destaque para o almoço de domingo no Seixal com largas centenas de pessoas e que contou com a participação do 1.º candidato da CDU João Ferreira e de Jerónimo de Sousa, Secretário-geral do PCP.

É também neste quadro que prossegue a acção geral de reforço do PCP, com prioridade para a campanha dos 5 mil contactos com trabalhadores, e se desenvolve a sua acção nas instituições, nomeadamente no PE e na AR. Foi no âmbito desta vigorosa intervenção que, anteontem no debate quinzenal na AR, o Secretário-geral do PCP, evidenciando o impacto positivo que teve na melhoria da situação económica do País a reposição de direitos e rendimentos, questionou o primeiro-ministro quanto à necessidade de aprofundar este caminho, pelo aumento geral dos salários e do próprio SMN, pela valorização das carreiras na Administração Pública com a contagem do tempo de serviço para efeitos de progressão e pela reposição integral de direitos e rendimentos. Chamou também à atenção para o facto de o crescimento económico ter ficado aquém do necessário e possível para recuperar anos de atraso e os défices estruturais do País, desde logo o défice produtivo, provocado pelo peso negativo na evolução da nossa economia dos constrangimentos impostos pelos critérios do Tratado Orçamental, que o governo levou ainda mais além, nomeadamente o do défice e de um serviço da dívida profundamente condicionante do crescimento e impeditivo de uma política de defesa dos sectores produtivos nacionais. Questionou ainda o primeiro-ministro sobre a necessidade de serem disponibilizados os recursos que garantam que a redução dos custos com os passes sociais, medida alcançada com a decisiva intervenção do PCP e a luta dos utentes, tenha impacto nacional, de modo a que nenhum passe concelhio ultrapasse os 30 euros, nenhum passe regional ultrapasse os 40 euros. E, ao mesmo tempo, garanta ainda o aumento da oferta ferroviária, fluvial e rodoviária perante o esperado aumento da procura de transporte público com o início da sua entrada em vigor já a partir da próxima semana.

Continua a dinamizar-se a luta de massas com particular destaque para a manifestação nacional da juventude trabalhadora convocada pela CGTP-IN/Interjovem para a próxima quinta-feira, 28, para a concentração no dia 11 de Abril junto à Assembleia da República, para as comemorações do 45.º aniversário da Revolução de Abril e para a jornada de luta do 1.º de Maio convocada pela CGTP-IN.

É neste quadro, intensificando o seu reforço, dinamizando a sua intervenção, estimulando a luta de massas, alargando a unidade e convergência com democratas e patriotas, esclarecendo e combatendo a mentira e a calúnia, prosseguindo a iniciativa política com os trabalhadores e com o povo, que se avança na construção do apoio à CDU. Conscientes de que dar mais força à CDU significará dar mais força à luta para avançar na afirmação da política alternativa patriótica e de esquerda, com reais soluções para os problemas do País.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: