Os espectáculos da Festa são únicos e irrepetíveis
Os artistas que os artistas convidam

MÚSICA São muitos, multifacetados e talentosos os artistas e grupos que actuarão, este ano, no Palco 25 de Abril e no Auditório 1.º de Maio da Festa do Avante!. Vários são os que, para as suas actuações, convidam outros músicos, não menos reconhecidos e dotados, que enriquecem ainda mais o valiosíssimo cartaz da Festa.

Quase que não era preciso escrever nem mais uma linha sobre os artistas da Festa para valorizar a sua qualidade, a diversidade dos seus estilos e proveniências, a sua reconhecida entrega ao público. Como sempre acontece, e este ano não será excepção, o cartaz musical da Festa do Avante! cruza nomes consagrados e artistas em afirmação (quantos deles fizeram ali os seus primeiros concertos «a sério»), sonoridades tradicionais e estilos contemporâneos, músicos provenientes dos quatro cantos do País ou dos mais diversos pontos do mundo.
Acontece, porém, que com estes artistas vêm outros, que não aparecem nos cartazes já afixados em todo o País. Artistas que não virão em nome próprio (embora sejam já, na maioria dos casos, nomes consagrados) mas que colocarão todo o seu imenso talento e empenho nos espectáculos de outros. A ganhar fica a Festa, onde já se proporcionaram momentos únicos de partilha entre músicos e entre estes e o público e muitos outros se esperam, já este ano.
Na Festa do Avante!, a generosidade não é uma palavra vã. Ela expressa-se em todos os recantos, gestos e ocasiões: na construção e funcionamento assegurados pelo trabalho militante; na camaradagem constante; e, também, nos palcos, em concertos únicos e irrepetíveis, tantas e tantas vezes com esta partilha entre os artistas que constam do cartaz e outros por eles convidados. É todo um cartaz que não cabe nos cartazes…


Canções de Roda convida
o Coro Infantil da Academia de Música de Almada
Um dos espectáculos que terá convidados – e muito especiais – é o das Canções de Roda, grupo composto por Ana Bacalhau, Jorge Benvinda, Sérgio Godinho e Vitorino: o Coro Infantil da Academia de Música de Almada, com direcção de Marta Costa. Em palco estarão 34 crianças entre os 6 e os 14 anos.

 

Celina da Piedade
convida João Gil e Vozes do Cante
Já Celina da Piedade chama para junto de si João Gil e Vozes do Cante.
João Gil quase que dispensaria apresentações, tão vasta e qualificada é a sua carreira de mais de 40 anos. O seu nome está ligado a grupos e projectos como Trovante, Ala dos Namorados, Rui Grande, Cabeças no Ar, Quinteto Lisboa, Baile Popular, Filarmónica Gil e Tais Quais. Compôs temas tão famosos como Perdidamente, 125 Azul, Timor, Loucos de Lisboa, Solta-se o Beijo, Postal dos Correios, entre muitos outros.


Vozes do Cante são uma companhia regular de Celina da Piedade e interpretam magistralmente o tradicional canto polifónico alentejano, cujo valor e relevância a própria UNESCO reconheceu, classificando-o em 2014 como Património Cultural Imaterial da Humanidade.

 

César Cardoso Quarteto
convida Julian Argüelles
Com o César Cardoso Quarteto, liderado por aquele que é considerado um dos mais consistentes músicos de Jazz da última década em Portugal, vem Julian Argüelles, um dos mais brilhantes saxofonistas britânicos da sua geração, que assim visita mais uma vez o nosso país. Internacionalmente muito solicitado, Argüelles publicou mais de 15 CD em seu nome e já tocou ao lado de inúmeros grandes nomes do jazz, como Steve Swallow, Archie Shepp, Tim Berne, Dave Holland, Evan Parker, John Scofield ou Carla Blety, actuando ainda nas big bands de Kenny Werner ou Django Bates. Participar agora ao lado de César Cardoso é uma prova da sua admiração por este projecto.

 

Clã convida Samuel Úria
A assinalar 25 anos de uma carreira recheada de êxitos e profícuas colaborações com músicos nacionais e estrangeiros, os Clã regressam à Festa com um convidado muito especial, Samuel Úria, seguramente um dos mais interessantes cantautores do século XXI português. Com influências marcadamente punk e rock, deu-se a conhecer ao grande público em 2008, acompanhado apenas pela sua guitarra acústica. Trata-se de um artista singular na língua materna, singular nas melodias e singular na relação com o público.

 

Fast Eddie Nelson
convida Frankie Chavez, Scúru Fitchádu, João San Payo, Poli Correia e Vítor Bacalhau
O virtuoso guitarrista barreirense traz uma mão cheia de convidados à Festa do Avante!, com percursos e estilos diferentes.

Um deles é Frankie Chavez, um artista que mistura diferentes sonoridades, reflexo das influências musicais que encontrou ao viajar pelo mundo. O resultado é uma espécie de blues/folk, com atmosferas que vão do soft ao hard rock’n’roll e ao psicadelismo.


Scuru Fitchadu (projecto a solo de Sette Sujidade, ou seja, Marcus Veiga) vai beber ao funáná de Cabo Verde, fundindo-o com sonoridades mais agressivas e carregadas de distorção do punk e electrónica.


Outro dos convidados de Fast Eddie Nelson, João San Payo, dispensa apresentações: líder da mítica banda de punk rock portuguesa Peste & Sida, é uma figura incontornável do rock em Portugal.


Quanto a Poli Correia, é autor, vocalista e mentor de projectos que cruzam o rock, o folk e o hardcore, como são os casos de Sam Alone and The Gravediggers, Devil in Me e Correia.


De Vítor Bacalhaubastará dizer que é actualmente um dos nomes mais sonantes do blues/rock em Portugal. Conta já com três discos editados, aclamados pela crítica especializada e pelos seus pares.

 

Mafalda Veiga
convida Ana Bacalhau
Ana Bacalhau
é a convidada de Mafalda Veiga, subindo assim ao palco uma segunda vez nesta edição da Festa do Avante!, onde também actuará com as Canções de Roda. De Ana Bacalhau o que se poderá ainda dizer? Que é a voz da Deolinda, um dos mais criativos grupos surgidos em Portugal nos últimos anos, que editou quatro discos e deu mais de mil concertos? Que lançou há dois anos o seu primeiro – e bem sucedido – trabalho a solo, Nome Próprio? Que conta no seu currículo com parcerias com alguns dos nomes mais relevantes da música portuguesa? Ou, talvez, que é simplesmente (e tanto que isso é) a Ana Bacalhau?

 

Moonspell
convida Paulo Bragança
À partida pouco há a unir os Moonspell, nome maior do heavy metal nacional, a Paulo Bragança, com raízes fundas no fado. Porém, será este a partilhar o palco com a banda nascida na Amadora e com uma legião de fãs não só no País como um pouco por toda a Europa. Paulo Bragança distingue-se pela sua forma única de interpretar o fado e hoje as suas criações extravasam já muito as fronteiras dessa canção tradicional lisboeta, consagrada pela UNESCO como Património Cultural Imaterial da Humanidade, nunca perdendo a sensibilidade e melancolia que a caracteriza.

 

Omiri
convida Celina da Piedade
Para além de actuar em nome próprio, Celina da Piedade estará na Festa também como convidada de Omiri, projecto de Vasco Ribeiro Casais que reinventa a música tradicional portuguesa, criando um novo conceito – o electrofolk. Recriar a música de raiz portuguesa é o que tem feito também Celina da Piedade que, com o seu acordeão, lhe tem dado novas formas e cores e um sentir mais moderno e universalista.

 

Papillon
Quem o conhece sabe que Rui Pereira, ou Papillon, gosta de surpreender o seu público nos espectáculos com convidados não anunciados. É o que fará uma vez mais na Festa do Avante!, onde contará com aparições surpreendentes, que só serão conhecidas por quem comparecer ao concerto.

 

 

Novos nomes valorizam cartaz


Delvon Lamarr Organ Trio (EUA)
Uma mistura contagiante de soul, jazz e rhythm & blues serve de receita para o êxito de Delvon Lamarr Organ Trio. A formação teve origem em Seattle e foi formada na primavera de 2015. Lamarr lidera o grupo num órgão B-3, Jimmy James tira um som explosivo na guitarra e Michael Duffy atinge a perfeição na bateria. O grupo evoca um som instrumental clássico na música popular afro-americana do século XX, com uma sensibilidade pioneira e um virtuosismo estonteante exibido logo no disco de estreia, Close But No Cigar. O Trio esteve em destaque no Local Artist Spotlight do KEXP, em Seattle, em Julho de 2017, que motivo uma apresentação ao vivo no Upstream Music Festival transmitido pela Internet e que conquistou mais de 5 milhões de visualizações. Essa gravação foi editada num álbum aclamado pela crítica chamado Live at KEXP!.

 

ThE SPiLL
ThE SPiLL é uma banda de rock criada pelo guitarrista André Fernandes, um músico também conhecido pelo seu percurso na área do jazz e da música mais experimental.
O disco What Would You Say, produzido por Fernandes e Marcos Cavaleiro (um dos dois bateristas do grupo actual), saiu em 2017 e este ano saiu um novo álbum, misturado por Alain Johannes, chamado Pretty Face...
ThE SPiLL é uma amálgama de influências rock, que vão ao lado mais punk vivido pela vocalista Sara Badalo (Sam Alone and The Gravediggers), à face mais garage vinda de Fernandes (guitarra e voz), mais soul de Marcos Cavaleiro (bateria), mais rock da bateria de Ruca Lacerda (Pluto, Supernada) e do baixo de Nuno Lucas (Frankie Chavez, Tapejunk, Jorge Palma), ou mais pop do teclista Óscar Graça. Tudo se junta para o som denso e divertido do grupo.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: