Editorial

A generalizada oposição à guerra teve uma expressão massiva e inesquecível

Setenta e dois anos

Mesmo correndo o risco de nos repetirmos – ou, melhor dizendo, assumindo claramente a necessidade de nos repetirmos... – afirmamos que o Avante! é um exemplo singular e uma referência incontornável no conjunto da imprensa portuguesa e que cada aniversário do órgão central do PCP é motivo de satisfação e orgulho não apenas para os comunistas mas igualmente para muitos milhares de homens, mulheres e jovens de esquerda.

Bastariam os setenta e dois anos de vida do Avante! agora comemorados para conferir ao nosso Jornal um lugar destacado no panorama da imprensa nacional. Acresce que mais de metade desse tempo de existência (precisamente quarenta e três anos) foi vivido na clandestinidade, no combate ao fascismo, na luta pela liberdade, pela democracia, pelos direitos dos trabalhadores e do povo – e anote-se que esse facto confere ao Avante! um papel singular em relação a toda a imprensa portuguesa. Sublinhe-se, ainda e mais uma vez (quanto mais não seja para avivar memórias), que nesse tempo de repressão fascista - nesse tempo em que rejeitar, combater e vencer a censura comportava superiores exigências de coragem e dignidade e implicava as consequências terríveis que se sabe - o Avante! foi, de facto, o único jornal que ousou enfrentar a ditadura, denunciando-a e movendo-lhe um combate sem tréguas. Combate que culminou com a vitória da liberdade e da democracia no 25 de Abril de 1974, data memorável para todos os portugueses, iniciadora do período de maior modernidade da História de Portugal – período no qual o Avante! ocupou o lugar que lhe competia: ao lado dos trabalhadores na luta pelos avanços e conquistas da Revolução, no combate à acção contra-revolucionária e à recuperação capitalista, contra a política de direita e por uma política de esquerda ao serviço dos interesses dos trabalhadores, do povo e do País.

Enquanto órgão central do PCP, o Avante! é um veículo fundamental na difusão da ideologia e do projecto comunistas, dos ideais que suportam a vida, a actividade, as normas de funcionamento, o projecto de sociedade pelos quais sucessivas gerações de militantes se têm batido; é o porta-voz das análises, orientações, medidas, linhas de acção definidas pelos congressos do Partido e levadas à prática, nos intervalos dos congressos, sob a direcção do Comité Central do Partido; é um importante elo de ligação entre a direcção e as bases do Partido e, portanto, entre o Partido e as massas trabalhadoras; é o difusor privilegiado das opiniões e apreciações do PCP à situação nacional e internacional, das palavras de ordem e das orientações adequadas a cada momento e a cada situação; é, enfim (e assim tem sido ao longo dos seus setenta e dois anos de vida), a voz dos que não têm voz, a tribuna dos interesses dos trabalhadores, dos explorados, dos humilhados e ofendidos, das vítimas de uma sociedade que, porque baseada na opressão e na exploração, constitui uma fonte de injustiças e desigualdades; e é, por tudo isso, um espaço de incitamento, estímulo e organização da luta popular - muito aquém do que desejaríamos em vários aspectos (nomeadamente em relatar, noticiar e fazer chegar a nossa voz onde é necessário que chegue) mas procurando ser melhor em cada semana.

No actual panorama mediático nacional, o Avante! constitui um espaço privilegiado ao serviço da classe operária e de todos os trabalhadores. Não surpreende que assim seja, conhecendo-se a natureza de classe do PCP e sabendo-se quem são os proprietários da generalidade dos grandes órgãos de comunicação social. No entanto, e mesmo sem surpresas, é bom não esquecermos que assim é, e que o facto de assim ser, faz com que o Avante! seja igualmente o melhor defensor dos interesses e direitos de outras classes e camadas sociais também elas alvos dos apetites insaciáveis do grande capital.

O 72º aniversário do Avante! tem vindo a ser comemorado por todo o País, através de iniciativas de convívio e de debate promovidas pelas organizações do Partido. Centenas de militantes e amigos do Partido e do Avante! têm participado nessas iniciativas, em todas elas tendo sido sublinhada a importância e a necessidade da leitura regular do Avante! e o papel insubstituível do nosso Jornal face à desinformação organizada que hoje domina a prática da generalidade da comunicação social. Tudo isso, tem-se concluído, confere uma importância particular à Campanha de Difusão do Avante! que, iniciada em Setembro de 2002 e prosseguindo até Maio próximo, tem como objectivo fazer chegar mais longe o nosso Jornal, aumentar a sua tiragem e o número dos seus leitores; levar mais e melhor informação a mais militantes e amigos do Partido, proporcionando-lhes, assim, uma mais qualificada intervenção política; informar um número crescente de cidadãos sobre o que são os comunistas, a sua história e a história da sua luta, o que defendem, por que objectivos se batem; levar a um maior número de pessoas a informação sobre o que se passa (e a opinião dos comunistas sobre o que se passa) no País e no Mundo.

A Campanha de Difusão do Avante! visa, ao fim e ao cabo, levar mais longe a imagem do PCP: a imagem verdadeira do PCP – as suas propostas, a sua actividade, a sua intervenção, o conteúdo revolucionário e humanista do seu projecto, o seu funcionamento democrático, a sua coerência em todos os momentos e situações - e não aquela imagem deformada, falsa, muitas vezes insultuosa e provocatória, divulgada pela comunicação social dominante e feita à medida dos interesses dos grandes grupos económicos e financeiros que sustentam essa comunicação social.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: