Pela defesa dos serviços públicos
A defesa e o desenvolvimento de serviços públicos que visam satisfazer necessidades fundamentais da população, como a água, a saúde, a educação, os transportes, os correios, a electricidade, a recolha e tratamento de resíduos, entre outros, constituem direitos sociais que sustentam a qualidade de vida das pessoas e dos quais não podemos abdicar.
Na freguesia de Santo André, assim como no resto do País, o que se tem verificado é que esses bens estão a ser de forma crescente postos em causa pelas políticas privatizadoras adoptadas e que estão subordinadas à lógica do lucro.
Face a esta inaceitável e dura realidade, a população de Santo André reuniu-se, recentemente, no Auditório da Escola Secundária Padre António Macedo, e deliberou «apoiar e legitimar a Comissão de Utentes dos Serviços Públicos da freguesia» e manifestou o seu repúdio pela crescente degradação dos vários serviços públicos.
«Exigir a abertura de uma Delegação de Repartição de Finanças em Vila Nova de Santo André», «mais condições de cuidados de saúde» e que «a empresa Águas de Santo André informe atempadamente a população sobre a qualidade da água que consomem», são algumas das reivindicações dos utentes.
Foi ainda destacada a necessidade de assegurar todos os serviços dos CTT na freguesia, que o Instituto Piaget veja homologado três licenciaturas na área da saúde e a construção da prometida e projectada a maternidade do novo Hospital do Litoral Alentejano.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: