Breves
MARVILA
Por uma solução justa
Tal como prometeram na visita que fizeram aos bairros dos Lóios e das Amendoeiras, os vereadores do PCP propuseram na Câmara Municipal de Lisboa a reversão para a esfera pública, ou seja para o IGAPHE/INH, da responsabilidade pelos fogos destes bairros. Os vereadores do PCP fizeram ainda aprovar na CML a cedência de uma sede para a Comissão de Moradores na via central de peões, próximo da PSP, no Bairro das Amoreiras, o que esperam seja concretizado com brevidade.
Dando nota do cumprimento das promessas feitas, a Comissão de Freguesia de Marvila do PCP, informa ainda que, também na sequência de uma visita a estes bairros, o seu Grupo Parlamentar apresentou na Assembleia da República a exigência ao Governo de que este encontre uma «solução justa em diálogo com a Câmara de Lisboa e com os moradores dos bairros», tendo o deputado António Filipe solicitado inclusive uma audição parlamentar ao Governo sobre a matéria.

BENFICA
Por mais transportes
A Comissão de Freguesia de Benfica e o núcleo do Bairro da Boavista do PCP querem que a Carris retome os horários da Carreira 43, entre a Buraca e o Cais do Sodré e vice-versa, que deixou de funcionar entre as 10h00 e as 17h00 e depois das 22h00. Exigem, ainda, o reforço da Carreira 11, entre a Buraca e o Terreiro do Paço e vice-versa, , já que, com o encerramento do Túnel do Rossio, os habitantes de uma parte da Damaia enchem desde logo o autocarro, que passa pelo Bairro já repleto.
São, assim, duas reivindicações do PCP de Benfica, a juntar a muitas outras, como sejam a passagem da Carreira 24 pelo interior do Bairro; a melhoria da iluminação em todo o Bairro; a extensão no Bairro da Boavista do Centro de Saúde de Benfica; a criação efectiva do Posto dos Correios; a construção da Casa Mortuária e do Mercado do Bairro.

PAMPILHOSA DA SERRA
Vale mais prevenir
Depois de, no Verão passado, o concelho da Pampilhosa da Serra ter sido intensamente fustigado pelos fogos florestais, o Governo assumiu numerosos compromissos de ajuda às populações, lembra a Direcção da Organização Regional de Coimbra do PCP. Porém, muitos meses são passados e ainda não de procedeu à limpeza das áreas ardidas.
Lembrando este facto, e preocupado com o incêndio que deflagrou no mês de Janeiro na zona de Machadinhos – que «revela a gravidade que a situação pode assumir no próximo Verão» – o deputado do PCP Agostinho Lopes apresentou um requerimento ao Governo, questionando-o sobre que medidas vão ser tomadas em matéria de apoio à reflorestação e ao escoamento das madeiras queimadas. O deputado pretende ainda saber que espécies vão ser plantadas nas áreas ardidas.

TÁBUA
SAP não pode encerrar
O encerramento do Serviço de Atendimento Permanente do Centro de Saúde de Tábua que, de acordo com notícia divulgadas na comunicação social, o Governo tem em vista, merece o repúdio da Direcção da Organização Regional de Coimbra do PCP, que fez chegar o problema ao seu Grupo Parlamentar.
Assim, em requerimento dirigido ao Ministério da Saúde, o deputado António Filipe, lembrando que Tábua é um concelho «muito extenso e disperso, solicita informação ao Governo sobre que planos tem relativamente ao SAP daquele Centro de Saúde. António Filipe considera no seu requerimento que este encerramento «será tanto mais incompreensível se tivermos em conta o facto de o Centro de Saúde possuir instalações praticamente novas e de qualidade reconhecida» e de «a Câmara Municipal ter aprovado por unanimidade uma moção de condenação deste intento».

VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO
Mantém-se problema dos esgotos
«O Guadiana não pode continuar a suportar a descarga de esgotos», afirma a Comissão Concelhia de Vila Real de Santo António do PCP, para quem a actual gestão PSD na Câmara tem de assumir esta questão como prioridade, pois só com este problema resolvido é possível melhorar o ambiente e a qualidade de vida das populações.
Há mais de oito anos, a gestão CDU conseguiu com grande esforço o financiamento para o projecto e para a construção da ETAR que serviria Vila Real de Santo António e Castro Marim. Porém, os oito anos de gestão PS que seguiram, corresponderam, nesta questão, a «tempo perdido em recursos e desaproveitamento completo das infra-estruturas implantadas, como condutas e estações elevatórias». Aliás, no Protocolo que assinou com a empresa «Águas de Algarve» – a quem, com o apoiou do PSD e os votos contra da CDU, entregou a obra e gestão do sistema – o PS não teve a preocupação de acautelar o seu cumprimento integral no que respeita à conclusão da obra e funcionamento do sistema.
Agora, com o PSD à frente do município, é a ele que cabe assumir a responsabilidade pelo problema, diz o PCP. Porém, que se conheça, ainda nada fez para resolvê-lo e sobre ele não deu qualquer informação à população.

SETÚBAL/SINTRA
Água é um bem de todos
A propósito da comemoração, no dia 22 de Março, do Dia Internacional da Água, tanto a Direcção da Organização Regional de Setúbal como a Comissão Concelhia de Sintra do PCP acusam o Governo PS, de com a Lei da Água que fez aprovar na Assembleia da República, pretender «transformar este bem num negócio especulativo». O objectivo, dizem estas organizações, é retirar competências às autarquias locais na gestão da água, impor um tarifário que inviabiliza os preços sociais e serviços gratuitos, fomentar os monopólios regionais e a especulação no comércio da água, nivelando ainda os preços pelo valor mais alto, de forma a garantir os lucros das concessionárias.
Ora as acções de privatização da água, em Portugal como noutros países, têm levado invariavelmente ao aumento dos custos sobre o consumidor e a serviços piores e mais caros.
O PCP tem assumido sempre a defesa da água como um bem público e universal, diz a DORS, lembrando a título de exemplo que, nas últimas eleições autárquicas, a CDU, entre os dez eixos estratégicos que apresentou ao eleitorado – e por ele amplamente sufragados – colocou como prioridade a «criação de um Sistema Intermunicipal de Abastecimento de Água em Alta».
Por outro lado, em Sintra, onde a CDU assumiu responsabilidades ao nível do SMAS, a relação qualidade/preço da água é uma das mais baixas da área Metropolitana de Lisboa, o que, na opinião da Concelhia do PCP, reflecte o bom trabalho desenvolvido pelo CDU desde 2002 e comprova que a gestão pública dá garantias de qualidade e custos mais baixos.

MONTIJO
Política nefasta
A Comissão Concelhia do Montijo do PCP repudia a «reincidência das pretensões de José Sócrates» de instalar na Sécil, em pleno Parque Natural da Arrábida, o sistema de co-incineração de resíduos industriais e perigosos.
Em nota à comunicação social, a Concelhia do PCP considera, por outro lado, que a greve de protesto dos trabalhadores dos CTT da Estação da Avenida 25 de Abril, penalizados na massa salarial em resultado de anomalias no sistema informático, e o encerramento da Interchampanhe e General Cork, com deslocação ou despedimento de trabalhadores, «são duas faces de uma mesma moeda», decorrentes de uma política contrária aos interesses de quem trabalha.