Na Noruega passa-se 14 anos no sistema educativo, em média
Portugal investe pouco na educação
Portugal está nos últimos lugares de várias tabelas relacionadas com a educação, como mostra um estudo da OCDE, que analisa a ajuda aos estudantes, as despesas nos vários ciclos e o período de frequência na escola.
Em Portugal apenas 2,6 por cento do orçamento do ensino superior é utilizado para aliviar os custos das famílias com filhos a frequentar o ensino superior, revelou um relatório da OCDE, denominado «Panorama da Educação 2006», divulgado na semana passada. Estas ajudas incluem bolsas de estudo, os créditos bonificados concedidos aos estudantes para financiarem os seus estudos e os subsídios concedidos directamente a instituições privadas.
Portugal gasta anualmente 4422 euros em despesas de educação por aluno, desde o ensino básico até ao superior, ficando no 23.º lugar entre os países analisados pela OCDE. O nosso país está, assim, abaixo da média de investimento anual dos países da OCDE na Educação, fixada em 5381 euros por aluno.
Dados de 2003 mostram que Portugal despendeu 3549 euros nos gastos com o primeiro e segundo ciclos do ensino básico, enquanto no terceiro ciclo do básico e ensino secundário foram gastos por ano e por estudante 4803 euros. No ensino superior, o investimento do Estado português em cada estudante é de 5674 euros, quando a média da OCDE se situa nos 8868 euros.
A Suíça está à frente da listagem, com o Estado a investir anualmente 6409 euros por aluno no primeiro e segundo ciclos do ensino básico, 9624 euros no terceiro ciclo do básico e no ensino secundário e mais de 20400 euros no ensino superior.

Poucos anos de escola

O documento revela que Portugal é o país da OCDE onde a população adulta (entre os 25 e os 64 anos) passou menos tempo no sistema de ensino, com uma média de oito anos e meio.
Em primeiro lugar surge a Noruega (quase 14 anos no sistema educativo), a Alemanha e a Dinamarca. No fundo da tabela mas à frente de Portugal, aparece a Turquia (9,6 anos) e o México (8,8 anos). A média dos países da OCDE é de 11,9 anos.
O número de pessoas entre os 25 e os 34 anos que concluíram o ensino secundário tem vindo a aumentar na OCDE, com uma média de 77 por cento. Portugal apresenta o quarto valor mais baixo (40 por cento). Pior só o México (25 por cento), a Turquia (33 por cento) e o Brasil (38 por cento).
Em 23 dos 30 países da OCDE analisados, 67 por cento das pessoas entre os 25 e os 64 anos terminaram pelo menos o 12.º ano. Neste parâmetro, Portugal surge em penúltimo lugar, com 25 por cento, apenas à frente do México, com 23 por cento.
Quanto ao ensino superior, 20 por cento dos portugueses entre os 25 e os 34 anos possuem um diploma universitário, valor que desce para 10 por cento na faixa etária entre os 45 e os 54 anos.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: