«EUA vão fornecer armas às autoridades albanesas do Kosovo»
Nove anos depois
Estado da NATO no Kosovo
A Sérvia e o Kosovo assinalaram a 24 de Março o 9.º aniversário dos bombardeamentos da NATO da então Jugoslávia. A guerra destruiu um país e criou e um estado fantoche.
As bombas da NATO começaram a destruir o que restava da antiga Jugoslávia (Sérvia e Montenegro) após um simulacro de «negociações de paz» entre Belgrado e os separatistas albano-kosovares em Rambouillet (França), que teve como único objectivo «justificar» a agressão. Em nome da pretensa defesa dos direitos humanos da maioria albanesa do Kosovo – província desde sempre considerada pela Sérvia como berço da própria nacionalidade – os EUA, a coberto da Aliança Atlântica, confrontaram as legítimas autoridades jugoslavas com imposições inaceitáveis para qualquer país soberano, incluindo a aceitação da presença e a submissão a forças estrangeiras no seu território. Belgrado recusou e fez o que foi possível, durante três meses, para que o direito internacional fosse mais do que uma palavra vã na cobiçada zona dos Balcãs. Em vão. A 10 de Junho de 1999, com o país destruído e muitos mortos para chorar (os números oficiais referem mais de mil soldados mortos e mais de 2500 vítimas civis), acabou por ceder à força das armas. Sob a batuta norte-americana, o conselho de Segurança da ONU aprovou nesse dia a resolução 1244, que estabeleceu um protectorado no Kosovo, embora «garantindo» a integridade territorial e a soberania sérvia nessa região.
Nove anos depois o resultado está à vista e foi consubstanciado nas palavras do primeiro-ministro sérvio, Vojislav Kostunica, quando esta segunda-feira afirmou que «agora está mais claro do que nunca que a brutal destruição da Sérvia teve um só objectivo: o de converter a província do Kosovo no primeiro Estado da NATO no mundo».
Em Pristina, capital do recém-proclamado «estado do Kosovo», o ex-terrorista e actual primeiro-ministro Hashim Thaci confirmou, involuntáriamente, as palavras de Kostunica, ao pedir à Força Internacional para o Kosovo (KFOR), liderada pela NATO, para manter as suas tropas no território. A meteórica ascensão de Thaci de dirigente das milícias separatistas do UCK a político aplaudido por Washington está justificada.
A independência unilateral do Kosovo, reconhecida até ao momento por 33 países, entre os quais se incluem os Estados Unidos, Alemanha, França, Reino Unido e Japão, continua no entanto a suscitar a oposição de países como a China, Rússia, Índia, Brasil e Espanha, que invocam o facto de a proclamação não ter respeitado o direito internacional e receiam que o «exemplo» venham a proliferar, incluindo nos respectivos países.

Rússia presta ajuda humanitária

A data foi igualmente lembrada em Moscovo, com o governo russo a decidir enviar ajuda humanitária à população dos enclaves sérvios do Kosovo. Segundo o o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, citado pela Lusa, «o governo sérvio enviou um pedido de ajuda humanitária, principalmente medicamentos, instrumentos médicos, produtos alimentares e de higiene, tendo sido considerado importante responder a esse pedido».
Lembrando que «a situação humanitária nos enclaves sérvios do Kosovo se tornou mais tensa nas últimas duas semanas», o chefe da diplomacia russa frisou que esta é a resposta do Kremlin à decisão dos Estados Unidos de fornecer armas às autoridades albanesas do território.
A Rússia manifesta-se preocupada com a decisão dos EUA, considerando que o envio de armas para a região pode transformá-la num «caldeirão em ebulição» e representar «uma série ameaça para a Europa».
Entretanto, na passada semana, o parlamento russo propôs à Sérvia que adira à Comunidade de Estados Independentes e à Organização do Tratado de Segurança Colectiva (CSTO), em alternativa à eventual adesão à União Europeia e à NATO, contestada pelos sérvios após o apoio dado a secessão do Kosovo.
Com a limpeza étnica levada a cabo nos últimos nove anos contra os sérvios, apenas cerca de 120 mil permanecem na região, num total de cerca de dois milhões de habitantes.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: