Serviço público de transporte de passageiros
Governo quer lei da selva

Um perigoso ataque ao serviço público de transporte e às empresas públicas que o garantem, designadamente nas áreas metropolitanas, bem como aos trabalhadores do sector, assim foi avaliada em recente audição pública promovida pelo PCP a proposta de lei que define o regime jurídico do Serviço Público de Transportes de Passageiros. O diploma do Governo encontra-se desde o início de Março na comissão de Economia e Obras Públicas, para onde baixou sem votação, depois de submetido a debate na generalidade.

Na audição, onde estiveram representadas organizações de trabalhadores, autarquias e áreas metropolitanas, entre ouras entidades, ouviram-se igualmente críticas ao Governo pela tentativa de sacudir responsabilidades para o poder local democrático, sobretudo ao nível do financiamento, e por comprometer o serviço público, colocando-o a mínimos abaixo do aceitável, abandonando populações, especialmente no interior.

«Praticamente nada escapa», sintetizou o deputado comunista Bruno Dias, aquando do debate em plenário, lembrando que as implicações negativas da proposta incidem num espectro muito alargado, seja as actuais empresas públicas de transportes e os próprios operadores privados, seja as autarquias locais e áreas metropolitanas, seja os utentes e os trabalhadores do sector.

Em suma, com esta proposta de lei, que mais apropriadamente deveria chamar-se «regime jurídico do desmantelamento do serviço público de transporte de passageiros», segundo Bruno Dias, o que o Governo está a impor no que toca aos transportes é a «lei da selva, uma verdadeira política de terra queimada».

E por isso a firme oposição do PCP a esta proposta, um combate em nome da defesa do serviço público de transportes, do direito das populações ao transporte de qualidade, dos direitos dos trabalhadores do sector.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: