Breves
Justiça francesa anula<br>proibição do burquíni

A Justiça francesa suspendeu, dia 26, a proibição do uso do burquíni (o fato de banho das mulheres muçulmanas), decretada ilegitimamente em vários municípios gauleses.

A decisão foi tomada pelo Conselho de Estado, a instância suprema da Justiça administrativa de França, na sequência de várias queixas individuais e de grupos de direitos humanos.

Os magistrados deixaram claro que as liberdades individuais só podem ser restringidas em caso de «risco comprovado» para a ordem pública.

A sentença foi elogiada por representantes da comunidade islâmica em França, que a consideraram uma «vitória do Direito» e da «sensatez».

Na véspera, o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy, candidato às primárias da direita para as presidenciais de 2017, tinha classificado o burquíni como «uma provocação», propondo que os símbolos religiosos fossem igualmente proibidos nas empresas, instituições públicas e universidades.


Franceses rejeitam Sarkozy

Oito em cada dez franceses (79%) não desejam que o conservador Nicolas Sarkozy regresse ao Eliseu em 2017, revelou uma sondagem divulgada dia 23.

O ex-presidente de França anunciou no início da semana passada a sua candidatura ao mais alto cargo do Estado. Sarkozy selou o lançamento da sua candidatura com a publicação do livro «Tout pour la France» (“Tudo pela França”).

As próximas eleições presidenciais em França estão marcadas para 23 de Abril (primeira volta) e 7 de Maio (segunda volta).


Itália declara estado de emergência

O governo italiano decretou, dia 25, o estado de emergência na região centro de Itália, abalada por um forte sismo que provocou a morte de cerca de 300 pessoas.

O primeiro-ministro, Matteo Renzi, anunciou ainda um primeiro pacote de ajudas no valor de 50 milhões de euros.


Crise varre bancos suíços

Um em cada dez bancos suíços desapareceu em 2015, em resultado de fusão, aquisição ou liquidação.

Segundo um estudo da consultora KPMG, publicado dia 25, as dificuldades que a banca privada helvética atravessa resultam em parte do fim do segredo bancário suíço, da nova regulamentação, bem como das condições do mercado.

Um terço das instituições privadas apresenta uma baixa taxa de rentabilidade e a consultora prevê que a situação para muitas delas continuará a agravar-se, levando ao seu desaparecimento nos próximos anos.

Note-se que o número de bancos privados na Suíça baixou de 181 para 117 entre em 2005 e Julho último.


Merkel admite ruptura da UE

A chanceler alemã, Angela Merkel, reconheceu, dia 26, que a saída britânica «não é apenas um acontecimento», mas pode ser também «um ponto de rutura na história da União Europeia».

Falando numa conferência de imprensa em Varsóvia ao lado dos chefes de governo dos países do Grupo de Visegrado (Hungria, Polónia, República Checa e Eslováquia), Merkel sublinhou ainda que as consequências do «Brexit» devem ser encaradas com «responsabilidade» e que as medidas a adoptar devem ter em conta um futuro próspero para os europeus. «Os cidadãos só vão aceitar uma União Europeia que faça tudo o possível para prosperar», frisou.


Porta-aviões britânico vai para o golfo

O porta-aviões britânico HMS Daring deverá ser enviado esta semana para o Golfo Pérsico para apoiar a frota norte-americana que opera na região. O vaso de guerra, que tem uma tripulação de 190 homens, irá alegadamente integrar-se nas operações contra o Daesh, na Síria e no Iraque, segundo noticiou, dia 29, o diário The Telegraph.

Segundo o ministro de Defesa, Michael Fallon, citado pelo jornal, «todos os dias a Força Aérea do Reino Unido atinge alvos no terreno», contando com a protecção da Marinha Real.