«Os Verdes» atentos <br>à realidade

O Conselho Nacional do Partido Ecologista «Os Verdes» (PEV) esteve reunido no dia 10, em Lisboa.

Um dos temas em debate foi o dos incêndios e o desordenamento da floresta. Sobre esta matéria, lê-se nas conclusões, «Os Verdes» lembram que «as políticas de prevenção» são «a aposta e o caminho a seguir» para evitar «o flagelo dos incêndios», pelo menos nas dimensões e gravidade que têm surgido.

«Este ano, mais uma vez, a época do Verão ocorre e o País arde, de Norte a Sul, com as graves implicações que isso acarreta, para as populações e seus bens, assim como para a floresta, os solos, a perda de biodiversidade», lamentam os ecologistas que estiveram na ilha da Madeira, na região Norte (Porto, Braga e Viana do Castelo), assim como em Santarém, realizando várias visitas que permitiram recolher informações junto das entidades responsáveis pelo combate e protecção das populações e da natureza.

No documento, o PEV defende a necessidade de acabar com o «reinado da eucaliptolândia» no País, uma vez que «as manchas contínuas de floresta com esta espécie são um rastilho para os fogos florestais», e recordou que «dos 53 mil hectares de floresta já ardidos este Verão, 37 mil são eucaliptal, ou seja, 70 por cento».

Balanço

Na reunião, os ecologistas fizeram ainda o balanço da primeira sessão legislativa, que consideraram positivo, «sobretudo porque as famílias estão melhor do que estavam há dois anos, com a devolução dos seus rendimentos e direitos que tinham sido retirados com o anterior governo do PSD/CDS». Neste ponto, destacaram a reposição das 35 horas, a devolução dos feriados, a baixa do IVA na restauração para 13 por cento, a eliminação da sobretaxa de IRS e a devolução dos salários.

Valorizado foi também a revisão do plano nacional de barragens, com a suspensão da construção de Alvito e Girabolhos e o adiamento do Fridão por três anos, e a aprovação do plano ferroviário nacional.

Propostas

Na passada sessão legislativa, «Os Verdes» e o seu grupo parlamentar realizaram várias iniciativas que se traduziram em sete propostas aprovadas no Orçamento do Estado, 20 projectos de resolução aprovados nas mais variadas áreas e temas, como também a aprovação de seis projectos de lei, que deram origem a novas leis.

No próximo dia 23, os deputados do PEV vão levar à discussão na Assembleia da República a moralização dos salários dos administradores das entidades reguladoras, o que permitirá poupar meio milhão de euros ao Estado, uma vez que actualmente há responsáveis daquelas instituições a ganharem o triplo do salário do primeiro-ministro.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: