Lutas nos supermercados até 15 de Novembro

Nos protestos que tiveram lugar dia 18, junto aos supermercados Continente em Ermesinde, de manhã, e no Gaia Shopping, de tarde, os trabalhadores afirmaram-se decididos a juntar-se à manifestação nacional que a CGTP-IN convocou para 15 de Novembro, em Lisboa.

Uma dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) revelou à agência Lusa que está a ser admitida a possibilidade de apresentar, para aquela data, pré-avisos de greve dirigidos a cada empresa.

Com a jornada de dia 18, um dos objectivos foi denunciar publicamente situações de assédio moral naqueles estabelecimentos. Mas, explicou Marisa Ribeiro, a luta dos trabalhadores inscreveu-se no protesto mais geral do sector da grande distribuição, por aumentos salariais justos e sem agravamento das condições de trabalho.

A associação patronal APED, na negociação do contrato colectivo para mais de cem mil trabalhadores, recusa tratar de aumentos salariais, caso o sindicato não aceite ceder contrapartidas como os «bancos» de horas.

Para dia 31, está convocada greve, na logística da Sonae, incluindo uma concentração nos Recursos Humanos, em Alfragide (Amadora). Nessa quarta-feira vai realizar-se um protesto junto a El Corte Inglés, em Vila Nova de Gaia. Prosseguem plenários e acções de contacto com os trabalhadores de outros estabelecimentos e empresas.

No dia 22, segunda-feira, fizeram greve os trabalhadores do Minipreço (Grupo DIA) na Rua Morais Soares, em Lisboa, que também contestaram as condições de segurança e saúde no trabalho.

Para ontem, estava marcada greve no Pingo Doce de Paço de Arcos (Oeiras) e uma acção frente ao Pingo Doce de Algés.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: