Editorial

«Reforçar a CDU para fazer avançar o País e melhorar a vida dos portugueses»»

É POSSÍVEL ALCANÇAR SOLUÇÕES PARA O PAÍS

Numa semana em que no essencial se mantiveram as linhas de força que orientam a acção de diferentes forças políticas, com PSD e CDS a procurar sacudir as responsabilidades governativas no agravamento dos problemas do País e o PS a chamar a si os resultados positivos obtidos na recuperação de direitos e rendimentos, o PCP e a CDU desenvolvem um diversificado conjunto de actividades visando alcançar novos avanços ou concretizar os que já foram conseguidos e, em simultâneo, criar condições para a ruptura com as opções que norteiam a acção do governo do PS e, pôr de pé uma política alternativa patriótica e de esquerda com reais soluções para o desenvolvimento soberano do País.

É nesta marcante intervenção que se insere o questionamento ao governo pelo Secretário-geral do PCP no debate quinzenal com o primeiro ministro na Assembleia da República da passada sexta-feira sobre a necessidade de controlo público dos CTT, de pagamento dos abonos de família e pré-natal e, a propósito dos acontecimentos de Vale de Chícharos, da necessidade de dar resposta aos problemas sociais das populações e aos problemas das forças e serviços de segurança.

É igualmente nesta intervenção que se insere a realização do Encontro Nacional «Alternativa Patriótica e de Esquerda. Soluções para um Portugal com futuro» no próximo sábado em Matosinhos, os encontros desta semana com a Direcção do Partido Ecologista «Os Verdes» e da Direcção da Associação Intervenção Democrática, o jantar-comício em Coimbra da passada sexta-feira e a apresentação do livro « Alternativa Patriótica e de Esquerda. Por um Portugal com Futuro!» anteontem em Lisboa, com a participação do Secretário-geral do PCP.

É, de facto, uma intervenção ímpar, de que fazem parte as diversas iniciativas de preparação das eleições para o Parlamento Europeu (PE) realizadas com a participação do primeiro candidato da CDU. Uma batalha eleitoral para a qual partimos com a determinação e confiança de quem pode apresentar um trabalho ímpar no Parlamento Europeu e no País, com uma acção coerente e combativa em defesa dos interesses nacionais e por um projecto alternativo para Portugal e para a Europa. Uma intervenção realizada em estreita ligação aos trabalhadores e às populações, em todo o País. Uma intervenção que se distingue das demais forças políticas no PE pelas opções políticas de fundo que o PCP e a CDU defendem com o seu compromisso de resposta aos anseios e aspirações dos trabalhadores e das populações e às necessidades do País.

Como afirmou Jerónimo de Sousa em Coimbra no passado dia 25, «foram os nossos deputados no Parlamento Europeu que avançaram com a denúncia dos brutais ataques aos direitos dos trabalhadores, os cortes nos salários e a destruição dos serviços públicos. Que deram combate às deslocalizações e em defesa do emprego. Que lutaram contra a imposição de sanções aos povos e aos países. Que avançaram com a proposta de renegociação das dívidas públicas dos países do Euro mais endividados e aliviar a brutal carga que pesa e condiciona o desenvolvimento de países, como Portugal. Que levaram a debate ao Parlamento Europeu a proposta de criação de um programa de apoio aos países intervencionados pela troika para conter o sofrimento dos povos».

Do mesmo modo, como lembrou o Secretário-geral do PCP, foram os deputados eleitos nas listas da CDU que tomaram nas suas mãos a defesa da agricultura e do mundo rural, seja com as propostas de reposição das quotas leiteiras, seja através da mobilização de apoios extraordinários às zonas percorridas pelos incêndios e tempestades; assumiram a defesa das pescas nacionais e do nosso mar; deram combate à liberalização do sector dos transportes e em defesa do apoio à modernização dos transportes públicos; defenderam a Segurança Social pública e universal e o combate às propostas que abrem caminho à sua privatização; se bateram pelo alargamento dos direitos de maternidade, entre muitas outras iniciativas e propostas.

É esta postura de defesa dos interesses nacionais, dos interesses dos trabalhadores e do povo que nos permite, afrontando as campanhas de desinformação, manipulação, ocultação, de mentira, calúnia e difamação em curso contra o PCP e a sua intervenção, partir com entusiasmo e confiança, para as batalhas eleitorais, a começar já pela eleição para o Parlamento Europeu.

Trata-se de um caminho que não dispensa, antes pelo contrário exige, em simultâneo, o desenvolvimento da luta de massas, o trabalho de reforço do Partido e o alargamento da unidade e convergência com democratas e patriotas mobilizando muitos independentes para o apoio à CDU.

E, neste combate, impõe-se como questão central a necessidade de elevar a consciência da importância de que, para avançar para uma política alternativa com soluções para o País, é decisivo dar mais força ao PCP e à CDU.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: