Editorial

«Dar mais força à CDU é reforçar a luta em defesa do trabalho e dos trabalhadores»

LUTAR E ALARGAR O APOIO À CDU

A situação política e social continua a ser marcada pela dinâmica eleitoral para o Parlamento Europeu. Continua a assistir-se a linhas de promoção de um quadro de bipolarização, procurando esconder as grandes afinidades entre PS, PSD e CDS como se nota, por exemplo, na tentativa de utilizar posicionamentos sobre impostos europeus para esconder a ampla convergência destes partidos em todas as questões relevantes do processo de construção capitalista da União Europeia, com todas as graves consequências negativas que tal processo representou e representa para Portugal.

A comunicação social dominante continua igualmente a promover as candidaturas do PS, PSD, CDS e BE ao mesmo tempo que prossegue a ofensiva anticomunista contra o PCP e tudo faz para ocultar a CDU.

O PCP e a CDU continuam a bater-se por mais avanços, como está, aliás, a acontecer com as longas carreiras contributivas, com as alterações ao sistema de aposentação dos trabalhadores das pedreiras, lavarias das minas, com o aumento do abono de família, com a entrada em vigor do alargamento e redução de custos do Passe Social Intermodal, num quadro em que o PCP continua a intervir pela extensão desta medida a todo o País e pelo aumento da oferta pública de transportes.

E, ao mesmo tempo que luta por mais avanços, o PCP e a CDU, conscientes de que o desenvolvimento do País carece de mudanças mais profundas, batem-se por uma política alternativa com respostas estruturais para os problemas do País.

Não basta caracterizar o euro como bónus para a Alemanha, como fez António Costa no passado domingo, e, ao mesmo tempo, manter as opções programáticas do governo minoritário do PS pela submissão à União Europeia, ao euro e ao capital monopolista. É preciso libertar Portugal dessa submissão; é preciso renegociar a dívida e repor o aparelho produtivo, por exemplo, reindustrializando o País, defendendo a agricultura, a floresta e as pescas, promovendo a produção nacional, garantindo o controlo público dos sectores estratégicos, valorizando o trabalho e os trabalhadores, investindo nos serviços públicos e defendendo as funções sociais do Estado, promovendo justiça fiscal, afirmando a nossa soberania e independência nacionais, defendendo o regime democrático e a Constituição.

É tendo presente esta determinante intervenção e o valor decisivo da luta de massas para avançar que o PCP valoriza a luta de massas que se desenvolve de que foi importante expressão a manifestação promovida pela FIEQUIMETAL na sexta-feira e a

grande manifestação de professores no sábado pela contagem do tempo de serviço para efeito de progressão na carreira docente. É também o caso da manifestação da juventude trabalhadora convocada pela CGTP-IN e que hoje se realiza em Lisboa. Vai ser também a concentração do próximo dia 11 de Abril em frente à Assembleia da República e vão ser as comemorações do 45.º aniversário do 25 de Abril, bem como a grande jornada de luta do 1.º de Maio que continua a ser preparada em torno da acção reivindicativa a partir das empresas, locais de trabalho e sectores.

E, ao mesmo tempo que estimula a luta, o PCP desenvolve todo um vasto conjunto de iniciativas como foi o jantar na Região Autónoma da Madeira e o almoço em Elvas inseridos nas comemorações do 98.º aniversário do Partido, com a participação de Jerónimo de Sousa, Secretário-geral do PCP e de João Ferreira, 1.º candidato da lista da CDU às eleições para o Parlamento Europeu.

E é neste ambiente que evidencia o seu prestígio e influência social que a CDU trava a batalha eleitoral para o PE com os seus candidatos no terreno e milhares de activistas e apoiantes a dar o seu imprescindível contributo para o reforço da sua expressão eleitoral. De facto, todos os que querem ver o País avançar e os seus direitos defendidos, e não andar para trás, seja pela mão do PS, seja do PSD e CDS, devem dar mais força à CDU.

É também neste quadro que avança a acção de reforço do PCP com particular atenção à campanha dos 5 mil contactos. Avança também a preparação da festa do Avante! e a venda antecipada da EP.

Como sublinhou o Secretário-geral do PCP sábado na Madeira, «hoje está mais claro a importância do papel da CDU, mais claro que é elegendo mais deputados pela CDU que é possível, não só assegurar que o que foi conquistado não é retirado, como abrir perspectivas para uma política alternativa, capaz de dar resposta mais plena aos problemas do País e às aspirações dos trabalhadores».

Por mais que ataquem o PCP ou pretendam silenciar a CDU, não nos intimidam. Sejam quais

forem os obstáculos que nos queiram colocar este é o combate que iremos prosseguir. Além do mais, porque sabemos que só nos atacam porque estamos inequivocamente do lado dos trabalhadores e do povo a atrapalhar os seus planos de exploração, a pôr em causa os seus projectos reaccionários, a lutar pela alternativa patriótica e de esquerda.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: