PJ recusa perder mais

LUSA

Centenas de funcionários de investigação da Polícia Judiciária concentraram-se na quarta-feira, dia 21, ao final da tarde, frente ao Parlamento, em protesto contra a proposta governamental de Orçamento do Estado para 2013. Num manifesto que uma delegação da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC/PJ) entregou à presidente da AR, demonstra-se como as medidas que constam no OE do próximo ano, somadas a outras que atingiram estes funcionários desde Agosto de 2005 (congelamento das progressões na Administração Pública), representarão uma redução de rendimentos que equivale, em média, a cinco salários e meio. Os investigadores e a ASFIC/PJ protestam igualmente contra a violação da Constituição, o desmantelamento do «Estado social» e a degradação das condições de funcionamento da polícia.
João Oliveira, deputado do PCP, esteve junto dos manifestantes, considerando «justíssimas» as suas reivindicações.

Na mesma tarde, o Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras anunciou o cancelamento de uma greve, anunciada para o dia seguinte, mas manteve a greve ao trabalho extraordinário, iniciada a 13 de Novembro e que está a ter uma grande adesão, como disse Acácio Pereira à agência Lusa. O presidente do sindicato reafirmou a condenação da «austeridade» no Orçamento do Estado, mas registou a «abertura» do ministro e do secretário de Estado da Administração Interna para resolver alguns problemas, relacionados com admissão de pessoal e recuperação de instalações.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: