O apoio a Francisco Lopes contará para prosseguir a luta
Centenas de milhares votaram pela ruptura e pela mudança
Encontro marcado na luta que continua

Para Francisco Lopes, «as centenas de milhares de votos nesta candidatura significam centenas de milhares de vozes que se levantaram a dizer “basta!”, a exigir a mudança». Na reacção aos resultados eleitorais do passado domingo o candidato garantiu, ainda, que «temos encontro marcado na luta que continua», palavras secundadas pelo Secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, para quem «a corrente de mobilização que a candidatura de Francisco Lopes suscitou», se projecta nas «batalhas políticas que a situação do País e a política de direita impõem aos trabalhadores e ao nosso Partido».

Image 6586

Confirmada a reeleição de Cavaco Silva à primeira volta das presidenciais – embora com a votação mais baixa de sempre para um segundo mandato, como sublinhou Francisco Lopes –, e a confiança depositada por mais de 300 mil eleitores, 7,14 por cento do total (ver quadro anexo), na candidatura patriótica e de esquerda, o candidato comunista, também apoiado pelos Verdes e Intervenção Democrática, fez a primeira declaração da noite na sede do PCP.

Começando por saudar as forças políticas e os milhares de homens, mulheres e jovens sem filiação partidária que neste combate deram o melhor da sua energia e criatividade, bem como o mandatário nacional, José Barata-Moura, e os demais mandatários da candidatura, Francisco Lopes considerou os votos obtidos «um claro sinal de exigência de mudança na vida nacional», votos que, garantiu, pesam e pesarão «na acção para abrir um caminho novo para Portugal».

Confirmando-se, na campanha e nas urnas, como um imperativo nacional, esta candidatura foi singular por ter colocado ao povo português «a questão essencial do tempo em que vivemos», a saber, «a necessidade da ruptura e mudança face a um rumo de declínio e injustiça social que conduziu o País para o atoleiro em que se encontra, e a adopção de um novo rumo patriótico e de esquerda, vinculado aos valores de Abril e à concretização do projecto consagrado na Constituição da República Portuguesa», acrescentou.

 

Vincada a diferença

 

Nenhuma das outras candidaturas se apresentou aos portugueses desta forma, por isso, frisou ainda Francisco Lopes, é justo destacar que «esta foi a candidatura que trouxe para a campanha e para as opções actuais e futuras os problemas e aspirações dos trabalhadores e do povo, a necessidade de pôr termo à abdicação dos interesses nacionais e à subordinação do poder político aos interesses da especulação de um número reduzido de famílias, accionistas, gestores e beneficiários dos grupos económicos e financeiros, afirmando a independência nacional e a soberania do povo sobre o futuro do País».

No mesmo sentido, a candidatura de Francisco Lopes traduziu, ao contrário de todas as outras, a afirmação do «caminho da produção nacional, da criação de emprego, da valorização do trabalho e dos trabalhadores, da resposta ao presente e futuro das novas gerações, do direito das mulheres à igualdade na lei e na vida, do papel dos intelectuais e quadros técnicos, dos homens e mulheres da cultura, do respeito pelos direitos e a dignidade dos reformados pensionista e idosos e das pessoas com deficiência, da defesa dos direitos dos imigrantes e das comunidades portuguesas no estrangeiro, dum sector público determinante nos sectores básicos e estratégicos, do apoio aos micro, pequenos e médios empresários, da defesa e valorização dos serviços públicos, da soberania nacional e da democracia política, económica, social e cultural».

Não tendo quaisquer compromissos com a política de direita, «a candidatura que marcou a diferença pelo percurso, pela verdade, coerência, objectivos e projecto» reitera o «compromisso duma intervenção que vai continuar», salientou Francisco Lopes, lembrando igualmente que «muito além da sua expressão em votos», esta candidatura granjeou «a simpatia, o apoio e a identificação» populares, dinâmica que não só não se perde como «constituem um importante contributo para novas opções políticas».

 

Combater sem tréguas

 

Referindo-se directamente à reeleição de Cavaco Silva, Francisco Lopes considerou-a um factor de «agravamento dos problemas nacionais». O actual presidente e as suas responsabilidades na situação dos trabalhadores, do povo e do País, só foram confrontados «de forma séria consistente, coerente, determinada e corajosa», pela candidatura comunista, «que se afirmou na crítica e na proposta como a verdadeira alternativa», precisou.

«O capitalismo e a sua natureza exploradora, opressora e predadora; as políticas da União Europeia e a política de declínio, injustiça e afundamento do País aí estão a querer cilindrar, sempre mais, o povo e o País», alertou. Neste quadro, e tendo em conta que «as centenas de milhar de votos nesta candidatura significam centenas de milhares de vozes que se levantaram a dizer basta, a exigir mudança, uma nova política, um futuro melhor», Francisco Lopes garantiu que «temos encontro marcado na luta que continua e se vai intensificar, para vencer o declínio nacional e as injustiças sociais, para construir um Portugal com futuro, uma sociedade mais justa».


Declaração de Jerónimo de Sousa
Prontos para a batalha

Depois da declaração do candidato, o secretário-geral do PCP enfatizou alguns dos aspectos que mais sobressaíram neste acto eleitoral.

Começando por reiterar «a justeza e importância da decisão do PCP de intervir com uma voz própria e autónoma no debate e esclarecimento sobre a situação do País e os seus responsáveis; sobre o papel e poderes exigidos ao Presidente da República e sobre a imperiosa necessidade de uma ruptura com a política de direita», Jerónimo de Sousa lembrou que o apoio à candidatura de Francisco Lopes «contará mais do que qualquer outro para a necessária e imprescindível continuação da luta», análise sustentada pelo facto de a votação obtida ter sido construída «na base de uma empenhada intervenção e mobilização populares que, combatendo a resignação e o conformismo, vencendo silenciamentos e discriminações, trouxe a esta campanha um projecto de esperança e confiança nos trabalhadores, no povo e no País».

«A reeleição de Cavaco Silva – continuou – culmina de forma negativa estas eleições presidenciais», significando «não apenas a persistência dos problemas, mas um salto qualitativo no seu agravamento», assim como «um acrescido factor de ânimo para novos ataques ao regime democrático, aos valores e conquistas de Abril».

«Uma reeleição construída com base na abusiva utilização das suas funções institucionais e dos meios da Presidência, assente na dissimulação descarada das suas responsabilidades pelos problemas nacionais e pelas opções e medidas que atingem a vida de milhões de portugueses e na intolerável chantagem sobre os eleitores», acusou o dirigente comunista, considerando que Cavaco na Presidência «assegurará estabilidade à política de direita» e «mais instabilidade na vida dos trabalhadores e do povo».

Cavaco Silva foi reeleito com o menor número de votos em sufrágios análogos, facto que «põe em evidencia o juízo negativo sobre o exercício das suas funções» no contexto de «um resultado também marcado por um inquietante crescimento da abstenção que, em si mesma, é expressão da condenação da política de direita», referiu ainda.

Mas para o secretário-Geral do PCP, «a corrente de mobilização que a candidatura de Francisco Lopes suscitou projecta-se num futuro próximo como um factor essencial para o desenvolvimento da luta e das batalhas políticas que a situação do País e a política de direita impõem aos trabalhadores e ao nosso Partido», palavras que os presentes saudaram com um determinado «a luta continua».



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: