Encontro da CIL apela ao voto

No dia 4 de Outubro «os trabalhadores não podem ficar em casa», devem «ir votar com memória», tanto dos PEC e do memorando da troika, como «de quem os assinou e de quem os aplicou», mas igualmente com «memória do muito que o povo pode, quando percebe a força que tem e usa essa força»; «é preciso ir votar e dar força a quem dá força à nossa luta».

Este apelo foi feito pelos participantes no encontro de comissões de trabalhadores de empresas estratégicas, que a CIL (coordenadora das CT da região de Lisboa) levou a cabo no dia 18, sexta-feira, durante a tarde, na Casa do Alentejo. Numa resolução ali aprovada, afirma-se que «Portugal não resolverá os seus problemas se não inverter as políticas que têm sido seguidas ao longo dos anos por sucessivos governos».

Dos deputados que vão ser eleitos e do futuro Governo, as CT e sub-CT exigem «uma política que tenha como estratégia o crescimento económico e o emprego, assente no desenvolvimento da produção nacional, na propriedade pública dos sectores estratégicos da economia, numa política agrícola, florestal e de pescas que desenvolva as potencialidades do País, e a defesa das funções sociais do Estado».

Reclamam ainda «o respeito pelo trabalho com direitos», «uma fiscalidade justa e progressiva», o crescimento dos salários como «factor de dinamização económica» e «o equilíbrio entre o trabalho e o capital, através do aprofundamento do controlo da gestão e da participação dos trabalhadores», «recusando alimentar o parasitismo das PPP, das subconcessões e das privatizações».

No documento defende-se «uma ruptura que recupere os valores de Abril que, ontem como hoje, são a alternativa ao capitalismo monopolista e selvagem que oprime o nosso povo e esmaga o seu futuro».

Estiveram presentes várias dezenas de representantes de 14 CT e sub-CT de empresas com alguns milhares de trabalhadores: Caixa Geral de Depósitos, TAP, EDP Distribuição, EPAL, Carris, Metropolitano de Lisboa, CP, EMEF, Refer, Imprensa Nacional Casa da Moeda, Petrogal (Galp Energia), CTT, Portugal Telecom, Exide (Tudor).

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: