Repor o Ramal da Lousã

O Movimento de Defesa do Ramal da Lousã (MDRL) promoveu no domingo, 17, uma tribuna pública em frente dos paços do concelho de Miranda do Corvo. A acção que teve por objectivo debater a necessidade de repor o transporte ferroviário, interrompido há mais de sete anos, contou com a adesão de mais de uma centena de pessoas, incluindo autarcas e candidatos às eleições de 1 de Outubro.

Entre os candidatos presentes encontravam-se Celeste Cardoso, Carlos Marta e Ana Grade, da CDU, para além de representantes do PSD, do BE e do PS. A deputada Ana Mesquita marcou presença dando conta da actividade parlamentar do PCP em defesa do Ramal da Lousã. O professor universitário aposentado João Poiares da Silva realçou a importância do ramal Coimbra-Serpins para o progresso da região.

Na iniciativa evocou-se o já distante 16 de Dezembro de 1906, data em que o comboio chegou a Miranda do Corvo e à Lousã, lembrado como um dia de «muita alegria e grande festa», como relataram os jornais da época. Ao fundo, uma faixa lembrava os 110 anos do Ramal da Lousa, com o apelo «Devolvam o que nos roubaram!». O MDRL recorda ainda a aprovação pela Assembleia da República de um projecto de resolução (apresentado pelo PCP) que aponta ao encerramento da Metro Mondego e à reposição, modernização e electrificação do Ramal da Lousã, uma vez devolvido à CP/Refer.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: