É rica e heroica a história do movimento comunista alemão
PCP em Berlim homenageia luta e revolucionários alemães

EVOCAÇÃO O PCP participou em Berlim, nos dias 12 e 13, nas iniciativas que assinalaram o centenário do assassinato de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht e da fundação do Partido Comunista da Alemanha (KPD).

Respondendo ao convite endereçado pelo Partido Comunista Alemão (DKP), o PCP esteve representado por Ângelo Alves, da Comissão Política do Comité Central, que no dia 12 participou na 24.ª Conferência Internacional Rosa Luxemburgo, organizada por uma plataforma de cerca de 30 organizações e publicações de esquerda, entre as quais o DKP. Na Conferência, que reuniu perto de 3000 pessoas, participaram intelectuais, activistas políticos e sindicais, dirigentes de organizações de esquerda e comunistas.

Quase no final da conferência, e após a intervenção da delegação cubana ali presente, os participantes realizaram um acto simbólico de comemoração do 60.º aniversário da Revolução Cubana, sob o lema «Outro mundo é possível, obrigado Cuba pelo teu exemplo!».

O PCP participou, igualmente, numa sessão-comício do DKP, integrada no programa que assinalou a data do assassinato dos dois revolucionários alemães, que juntou cerca de 300 pessoas, entre as quais representantes de vários partidos comunistas e progressistas. Nesta iniciativa tomaram a palavra o presidente do DKP, Patrick Köbele, o representante do Partido Comunista Português e Abel Prieto, intelectual e ex-ministro da Cultura de Cuba. A iniciativa contou ainda com uma diversificada participação cultural, onde foi possível escutar várias músicas revolucionárias, entre as quais o «Avante, Camarada».

No dia seguinte, 13, teve lugar a manifestação que anualmente percorre a Avenida Karl Marx em direcção ao memorial em honra de Rosa Luxemburg e Karl Liebknecht, bem como de outros vultos da história do movimento comunista alemão, e que reuniu mais de 10 mil participantes. O PCP esteve uma vez mais representado.

No memorial que evoca a memória dos revolucionários alemães e a história de luta contra o fascismo, pela liberdade e o socialismo, a delegação do PCP teve a oportunidade de aí depositar – tal como o fizeram milhares de outros manifestantes – cravos vermelhos, o símbolo que também na Alemanha está associado à luta contra a exploração e a repressão, pela liberdade.

Durante a estadia em Berlim, o PCP realizou um encontro bilateral com o presidente do DKP, onde foi possível trocar informações sobre a situação em Portugal e na Alemanha, bem como outras questões de interesse comum, nomeadamente a batalha das eleições para o Parlamento Europeu, tendo ambos os partidos valorizado a publicação do Apelo Comum, que já recolheu o apoio de mais de 20 partidos comunistas e de esquerda.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: