A «caravana» não pára

Após um percurso de mais de nove mil quilómetros, com a realização de dezenas de plenários de trabalhadores e acções públicas, acompanhadas da exposição itinerante «Defender o Poder Local, os trabalhadores e as populações» e de distribuição de comunicados à população, chegou ao fim, no dia 23, a «Caravana do Protesto, Luta e Afirmação». Esta iniciativa do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local arrancou a 15 de Outubro, em Santarém, e tocou todos os distritos, encerrando na passada sexta-feira, em Loures, com um plenário nas oficinas municipais, seguido de desfile até ao Largo 4 de Outubro. Aqui, Fátima Amaral, dirigente do STAL, e Libério Domingues, coordenador da União dos Sindicatos de Lisboa, apelaram ao prosseguimento e intensificação da luta, em defesa do Poder Local, dos seus trabalhadores e dos serviços públicos, tanto nos locais de trabalho, como anteontem, frente à AR, e nas manifestações convocadas para 8 e 15 de Dezembro.

Na tarde de quinta-feira, dia 22, na Praça do Município, teve lugar um plenário de trabalhadores da Câmara e das juntas de freguesia de Lisboa. Promovido conjuntamente pelos sindicatos da CGTP-IN nas autarquias da capital, o plenário deixou um alerta para as graves consequências da reorganização administrativa, que extingue e cria freguesias e lhes atribui competências do município, provocando esvaziamento de serviços municipais e desresponsabilização da CML. Mas este processo ainda não está consumado, como se nota num comunicado do Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa sobre a Lei 56/2012.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: