Desenvolvimento e soberania em debate nas Jornadas Parlamentares do PCP
Construir a política alternativa

Confrontar o Governo com as consequências da sua política é o objectivo da interpelação proposta pelo PCP para o próximo dia 13 de Março. Com esta iniciativa – anunciada anteontem por João Oliveira no final das Jornadas Parlamentares que reuniu em Setúbal os deputados comunistas na AR e ao Parlamento Europeu – esgrimidas serão visões distintas sobre o País: entre a política de direita que o afunda (hoje pela mão deste Governo) e a política patriótica e de esquerda que o PCP defende e os trabalhadores e o povo reclamam.



Com esta política não há saídas limpas

Efeitos sobre o aparelho produtivo e a soberania
Amarras e destruição

Jerónimo de Sousa desafia Governo a dizer toda a verdade
Esta política só serve o capital

«Para a mentira ser segura e atingir profundidade tem de trazer à mistura algum fundo de verdade». Foi com a evocação deste verso do poeta algarvio António Aleixo que o Secretário-geral do PCP pôs a nu a integridade do discurso governativo.



Só há uma «saída limpa» para o País
A ruptura com esta política

A chamada «saída limpa» não passa da mais recente operação mistificatória de quem vive hoje obcecado com as eleições, considera o PCP, para quem a «única saída limpa e digna» está na ruptura com este Governo e esta política.



Regime extraordinário do crédito à habitação
Defender as famílias e não a Banca

Encontram-se em comissão pelo prazo de 60 dias, para onde baixaram sem votação a pedido dos seus autores, os projectos de lei do PCP, BE e PSD/CDS-PP que alteram a legislação relativa à protecção dos devedores de crédito à habitação em situação económica difícil.



Nova Lei da Rádio e TV ameaça serviço público

Regime de rendas apoiadas
Urge rever a lei

Património náutico
Valores a defender

Em defesa do montado