Não à privatização da Conserveira dos Açores

A privatização da empresa conserveira de Santa Catarina, anunciada em Fevereiro do corrente ano pelo Governo Regional dos Açores, põe em perigo o emprego de mais de 140 pessoas e parte da economia da ilha de São Jorge. Para o PCP, é inaceitável que se considere a privatização de uma das indústrias que mais produz nos Açores, sem ter em consideração o impacto económico que esta tem na ilha e pondo em causa o futuro de mais de uma centena de famílias.

Esta posição foi assumida pela Representação Parlamentar do PCP nos Açores em requerimento enviado ao Governo Regional, onde coloca um conjunto de questões sobre o processo da Conserveira Santa Catarina, entre as quais a de saber em que estado se encontra a negociação e o futuro dos funcionários caso a privatização venha a ser concretizada. Em Fevereiro do corrente ano foi tornado público que estavam em curso negociações para a privatização da empresa. No entanto, todo o processo tem sido ocultado da população e principalmente dos trabalhadores da fábrica, que vêem os seus postos de trabalho em perigo.

A fábrica de Santa Catarina, na Vila da Calheta, conta com mais de 70 anos de história. Em abril de 1995 foi reactivada pela Câmara Municipal e posteriormente, em 2009, adquirida pelo Governo Regional.





 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: