Cristina Tavares continua a precisar de solidariedade

A trabalhadora despedida ilegalmente, pela segunda vez em dois anos, da empresa corticeira Fernando Couto, de Santa Maria da Feira, não conseguiu aceder ao subsídio de desemprego por factos imputáveis à entidade patronal, denunciou segunda-feira, 11, o Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte.

No sábado, 9, em Lourosa decorreu mais uma manifestação de solidariedade para com Cristina Tavares. Estiveram presentes o músico Samuel Quedas, deputados do PCP, PEV e BE, e o Secretário-geral da CGTP-IN. Arménio Carlos garantiu que as acções vão continuar até à reintegração da trabalhadora no seu posto.

Um dia antes, na sexta-feira, 8, Cristina Tavares e uma delegação do movimento sindical unitário deslocaram-se à Assembleia da República e sensibilizaram todos os partidos para a necessidade de alterar a legislação que obriga o trabalhador a demonstrar ter sido vítima de assédio.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: