Retomar os caminhos de Abril com uma política patriótica e de esquerda
Grândola, Sines, Alcácer do Sal e Santiago do Cacém
Travar o caminho de desastre através do voto
Jerónimo de Sousa esteve, sexta-feira, em Grândola, Sines, Alcácer do Sal e Santiago do Cacém, concelhos onde a CDU tem como objectivo reforçar e reconquistar os órgãos autárquicos.

Neste périplo pelo Litoral Alentejano, a primeira paragem aconteceu em Grândola, onde o Secretário-geral do PCP participou num desfile, da Sede da CDU até ao novo Centro de Trabalho do PCP, e num almoço, no Jardim 1.º de Maio, que excedeu todas as expectativas, e que contou com a presença, entre muitos outros activistas e candidatos, dos cabeças-de-lista à Câmara e Assembleia Municipal, respectivamente António Figueira Mendes e Rafael Rodrigues.

Maria de Fátima Luzia (Grândola e Santa Margarida da Serra), Ricardo Costa (Carvalhal), Sandra Gonçalves (Melides), Manuel João Vaz (Azinheira dos Barros) encabeçam as listas da CDU para as freguesias e uniões de freguesia do concelho. Fernando Travassos é o mandatário da candidatura.

Experiência e criatividade

Neste concelho, a equipa da CDU para os órgãos autárquicos une a sabedoria e a experiência com a dinâmica e a criatividade dos mais jovens. Uma equipa que conhece a realidade do concelho, os seus problemas e as suas potencialidades, com ideias fortes, para fazer de Grândola um concelho a sério.

«O nosso grande objectivo é ter uma política transversal relativamente à cultura, ao turismo, aos jovens e ao ambiente. Não podemos tratar as coisas de forma isolada», afirmou António Figueira Mendes, frisando que nos próximos quatro anos, com a CDU, «não se vão estender mais redes de esgotos e arruamentos para construir novos loteamentos», que existem em abundância, antes «criar zonas de reabilitação urbana».

Na sua intervenção, o candidato falou ainda da «agricultura». «Esqueceram-se que a base da nossa economia continua a ser a agricultura. Temos visto toneladas de fruta e legumes a estragarem-se, porque as pessoas não os podem comercializar. Depois encontramos pessoas com fome nas aldeias», criticou.

Quase a terminar, António Figueira Mendes deixou uma promessa: «Daqui a um mês os parquímetros serão retirados». «Temos que ter a maioria absoluta para não estarmos dependentes de ninguém. Vamos trabalhar muito, lutar até ao fim, e só assim poderemos garantir a vitória», reforçou.

Força coerente

Por seu lado, Jerónimo de Sousa, referindo-se às críticas que vêm das candidaturas adversárias, afirmou: «Se o povo de Grândola decidir dar a vitória à CDU, o camarada Figueira Mendes – e eu assumo esta responsabilidade – exercerá o mandato até às próximas eleições». «Nesta batalha eleitoral, a única força coerente, unida, com um programa, é a CDU», precisou.

O Secretário-Geral do PCP falou ainda das «piruetas» políticas que conduziram Paulo Portas a vice-primeiro ministro e comentou as recentes declarações do presidente do CDS: «Depois daquele resgate, a nossa economia bateu no fundo, (...) já saímos do fundo, estamos a começar a subir a escada».

«Sinais para aqui, sinais para acolá. Mas os trabalhadores, os reformados e pensionistas, os pequenos e médios empresários, estão a ver algum sinal do que o Paulo Portas anunciou? Os sinais que existem é que vêm aí mais cortes nas pensões e nas reformas, são de ameaça aos salários e aos direitos dos trabalhadores, é de mais cortes na saúde, na educação e na protecção social», acusou Jerónimo de Sousa, frisando: «É possível travar este caminho para o desastre, retomar os caminhos de Abril com uma política patriótica e de esquerda».

Viver Sines

 

Depois de Grândola, Jerónimo de Sousa foi até Sines, onde a CDU tem como lema «Viver Sines». No Jardim do Rossio estiveram mais de duas centena de pessoas, que ouviram, primeiro, Hélder Guerreiro, cabeça de lista à Câmara Municipal, afirmar que o projecto da CDU é aquele que melhor defende os interesses das pessoas, que promove o desenvolvimento do concelho e a melhor qualidade de vida dos sineenses.

«Esta iniciativa demonstra o crescendo da nossa campanha. O reforço da CDU é já uma realidade nas ruas», sublinhou Helder Guerreiro, afirmando estar a ser «o mais feliz de todos os candidatos». «Queremos continuar e alargar a intensa campanha de rua, que temos desenvolvido até aqui, e contar com a população para que no próximo dia 29 de Setembro consigamos atingir todos os objectivos a que nos propusemos», disse, prometendo «resgatar a cidade dos interesses instalados», para que «Sines volte a ser um município de Abril».

Francisco do Ó Pacheco é o primeiro candidato da CDU à Assembleia Municipal de Sines, e Ana Correia e Paula Silva, cabeças-de-lista às assembleias de freguesia de Sines e Porto Covo, respectivamente. Carlos Espadinha é o mandatário da Candidatura.

Resgatar Sines

A acção terminou com a intervenção de Jerónimo de Sousa, que destacou a necessidade de «resgatar, de facto, o projecto da CDU, para que em Sines se viva melhor». «Esta é a força que não precisa de campanhas eleitorais para estar sempre do lado certo», destacou, frisando que, agora, é necessário «penalizar o Governo» e «todos «os partidos que assinaram o pacto de agressão (PS, PSD e CDS)». «No dia 29 de Setembro vamos votar com muita coisa escondida», avisou, referindo-se à «conclusão» e à «avaliação» da troika estrangeira, assim como «qual vai ser a proposta do Orçamento do Estado para 2014». «No dia 29, o voto na CDU vale a dobrar, para eleger os nossos candidatos e também para dar força à força que luta», reafirmou.


Confiança em Alcácer do Sal

 

O Secretário-Geral do PCP foi até Alcácer do Sal, onde a campanha da CDU está num crescimento imparável. Por todo o concelho é visível a adesão das pessoas a este projecto de mudança no rumo do Poder Local.

No Largo dos Açougues não foi diferente. Vítor Proença, cabeça de lista à Câmara Municipal, afirmou, por isso, que «as pessoas, os cidadãos, têm que estar no centro das atenções». «Nós entendemos que no nosso projecto temos que ter em conta uma atitude proactiva em prol de todos e olhar todos por igual», sublinhou, frisando que o slogan da CDU, «Viva Alcácer», significa que «as pessoas não podem perder serviços públicos, com o cúmplice silenciamento de quem está há oito anos à frente dos destinos do concelho».

No final ficou um apelo: «Até ao último dia, temos de continuar a convencer e a mobilizar as pessoas, com uma atenção muito grande relativamente às mesas de voto, para que, nesse domingo, tenhamos uma grande vitória em Alcácer do Sal». António Baloma é o primeiro das listas da CDU à Assembleia Municipal.

Esperança no futuro

Por seu lado, Jerónimo de Sousa agradeceu a presença de todos naquela «bonita praça», o que «nos dá força, enche-nos de alegria e de esperança num futuro melhor». Na sua intervenção, falou ainda do ataque ao Poder Local democrático e salientou que as eleições de 29 de Setembro não são «inseparáveis da situação nacional que vivemos, resultante da política do Governo», mas também por responsabilidade do PS, que também assinou o pacto de agressão. «Não podem ter duas caras, enganar e mentir às populações, quando são tão responsáveis como este Governo», acusou, apelando a todos os portugueses: «Não se abstenham», porque «o voto também é uma arma para penalizar quem vos está a infernizar a vida».


Jerónimo de Sousa alerta para os riscos da privatização
Água não é fonte de negócio

 

Na última iniciativa de sexta-feira, teve lugar, no Auditório Municipal António Chaínho, um grandioso comício que contou com as palavras de Álvaro Beijinha, cabeça-de-lista à Câmara de Santiago do Cacém, e de Jerónimo de Sousa, que focou a necessidade de lutar contra a privatização da água. «É conhecida a firme atitude da CDU em defesa da água pública, contra os projectos para privatizar este bem essencial e transformá-lo numa fonte de negócio e de lucro para uns poucos à custa do dinheiro de todos», lembrou, valorizando a «atitude» da Câmara de Santiago do Cacém, de «sólida e coerente posição de combate às ambições de sucessivos governos de assegurar a apropriação privada da água».

Neste sentido, reforçou o Secretário-Geral do PCP: «A CDU é a força principal e decisiva dessa luta que junta populações e eleitos para resistir a esta criminosa intenção, para lhe fazer frente nas autarquias onde é poder e organizar a luta do povo para a derrotar».

Investir nas pessoas

Álvaro Beijinha, perante uma plateia de centenas de pessoas, prometeu dar o seu melhor na condução dos destinos do concelho, e informou que a CDU vai apostar no turismo, no ambiente, na qualificação das cidades, vilas e aldeias, na saúde, na educação, nos acessos e na mobilidade, na cultura, no desporto, na juventude, nos serviços do município.

«Para além dos nossos compromissos, temos também que afirmar o nosso trabalho, que reconhecidamente contribuiu e contribui, de forma decisiva, para o desenvolvimento económico e social do nosso concelho, um trabalho sempre em prol das pessoas, que permitiu e permite combater as dificuldades e construir uma vida melhor», salientou Álvaro Beijinha.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: