Aveiro, Braga, Vila Nova de Gaia, Gondomar

Construir a alternativa

A candidatura da CDU ao município de Aveiro promoveu, recentemente, no auditório municipal uma sessão de esclarecimento destinada a divulgar e debater o programa eleitoral da Coligação. Na mesa estiveram os candidatos Miguel Viegas, Filipe Guerra, Rosa Gadanho e Tânia Simões, respetivamente à Câmara e Assembleia Municipal de Aveiro, à União das Freguesias da Glória e Vera Cruz, que centraram as suas intervenções em questões como a educação e o ambiente. Durante as mais de duas horas que durou a sessão, muitos foram os contributos vindos da assistência, que fez questão de participar neste processo colectivo destinado a construir uma verdadeira alternativa para o concelho de Aveiro. O programa da CDU é baseado em quatro eixos: a defesa dos serviços públicos; uma gestão participada e descentralizada; um novo modelo de desenvolvimento social e económico; e proceder a uma revolução no planeamento, com destaque para o ordenamento do território, a reabilitação urbana e a mobilidade.

 

Ouvir a população

Numa das muitas iniciativas de contacto com a população do concelho de Braga, a candidatura da CDU esteve no mercado municipal a ouvir as preocupações dos comerciantes. Na ocasião, os cabeças-de-lista da Coligação à Câmara e Assembleia municipais, respectivamente Carlos Almeida e Carla Cruz, verificaram a degradação das infra-estruturas do espaço, reafirmando a necessidade da sua requalificação. Para Carlos Almeida trata-se de uma questão essencial para garantir melhores condições de trabalho aos comerciantes e tornar o espaço mais atractivo, «devolvendo-lhe um papel central na economia local e no desenvolvimento do município». O alargamento da colocação de parcómetros na cidade, incluindo nas ruas que envolvem o Mercado Municipal, foi também apontado pelos comerciantes como um grave problema, sobretudo tendo em conta que as grandes superfícies comerciais têm parques de estacionamento gratuitos.

 

Penalizar a troika interna

A CDU apela aos eleitores para que penalizem as forças políticas responsáveis pelo galopante desemprego que afecta o concelho de Vila Nova de Gaia: em Agosto havia quase 34 mil trabalhadores inscritos nos centros de emprego, mais 730 do que no mês de Julho e quase mais seis mil do que há três anos. Se no País o desemprego não pára de crescer, em Gaia a situação é particularmente dramática com um em cada cinco trabalhadores desempregados – o que, no distrito do Porto, só é superado pelo concelho de Baião. «Os candidatos do arco da governabilidade reclamam entre si a herança política de Menezes no concelho. Cabe perguntar: quem reclama esta? Quem reclama a destruição do aparelho produtivo e a aniquilação das pequenas e médias empresas?», questiona a candidatura da CDU, apelando aos desempregados para que não se resignem e que, no dia 29, penalizem o PS, o PSD e o CDS por esta dramática realidade.

 

Centrar no essencial

Em Gondomar, a CDU reagiu à decisão judicial de impugnar a candidatura aos órgãos municipais do movimento de Valentim Loureiro lembrando que os problemas da população «não se resolvem pelo facto de uma parte dos responsáveis pela gestão municipal dos últimos 20 anos não se poder candidatar nas próximas eleições». Tanto assim é que PSD e PS estiveram inúmeras vezes «sintonizados com as opções políticas de Valentim Loureiro». Para a CDU, só o seu reforço, quer em votos quer em eleitos, pode garantir uma vida melhor aos gondomarenses.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: